Pra variar: Fantasma de Nada?

É mesmo, essas aparições já estão ficando pra lá de chatas!

Anúncios

Tartaruga no poste II

Você já deve ter recebido por e-mail o “Lula é uma tartaruga no poste”. Com essa reeleição do Lula, criei mais dois textos baseados neste. Uma é a continuação do original e o outro é um texto baseado no original.

Tartaruga no Poste II

Um gari visita novamente um médico para cuidar de seu ferimento causado por um vidro. Enquanto eles conversam sobre a corrupção, falam sobre Lula. O velho gari diz:
– Lula é igual a uma tartaruga que subiu de novo o poste

O médico, já sabendo da primeira história, pergunta por que subiu de novo e o velho gari volta a dizer:
– Você anda novamente na estradinha e vê que a tartaruga está de volta naquele mesmo poste, parada.

O médico continua sem entender e o gari acrescentou:
– Você sabe que tiveram a oportunidade de tirá-la de lá, porém colocaram-na de volta; Você continua não acreditando como ela voltou pra lá; Você continua sabendo que ela deveria ser retirada dali rapidamente; Você continua sabendo que pos ela de volta a ali não tem bom senso; Então, se tentamos tirá-la de lá e colocaram ela de volta lá, então temos que lutar para tirá-la de lá.

 

A volta da tartaruga ao poste

Voltando de viagem, uma mulher vê uma tartaruga em cima do poste e comenta com o marido:

– Ué? Como é que essa tartaruga está lá?
– Não sei, só sei que na ida tinha um povo tentando tirá-la de lá.
– E não a tiraram de lá?
– Pelo visto não.
– Por quê?
– Porque é muito sacrifício tirá-la de lá, preferem que ela fique lá, sem fazer nada, vendo o sofrimento dela. Falta um bom senso de tirá-la de lá.
– Mas é fácil tirá-la de lá. Já tiveram a oportunidade de tirá-la.
– Agora é torcer que alguém se esforce para tirá-la de lá antes que ela faça alguma besteira.

Com mais de 51 mi de votos, Lula é reeleito presidente do Brasil

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, 61, foi reeleito neste domingo, com 60,45% dos votos válidos, escolhido por mais de 51 milhões de eleitores. Isso é o que mostrava o resultado da apuração parcial divulgada às 19h20, quando 87,69% das urnas já haviam sido apuradas.

Lula venceu no segundo turno o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), 54, que recebeu mais de 33 milhões de votos (39,55%).

A vitória do petista confirma as pesquisas de intenção de voto. Durante toda a eleição, desde o primeiro turno, Lula aparecia em primeiro lugar. Pesquisa Datafolha, divulgada ontem, apontava a vitória de Lula com 61% dos votos válidos.

Ex-torneiro mecânico e primeiro líder de um partido de esquerda eleito presidente, Lula consegue igualar a façanha de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Em 1998, o tucano chegou ao segundo mandato consecutivo –foi o primeiro presidente a se beneficiar da reeleição no Brasil.

Houve uma diferença, porém. Ao contrário de Lula, FHC conseguiu a reeleição já primeiro turno, com 53,06% dos votos válidos –escolhido por quase 36 milhões de eleitores.

Nestas eleições, além dos adversários, Lula teve que enfrentar uma verdadeira avalanche de crises políticas e de escândalos envolvendo o Congresso Nacional, membros de seu governo e dirigentes de seu partido, o PT. A mais recente crise estourou durante a campanha eleitoral e causou revolta na oposição: a tentativa de compra de um dossiê antitucano.

O episódio continua sendo investigado pela Polícia Federal e pela Justiça. Existe no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), inclusive, um processo de impugnação da candidatura do petista, que pode acontecer mesmo após a votação, caso as investigações comprovem crime eleitoral.

A aprovação e a popularidade de Lula, entretanto, não estavam ligadas ao sistema político, como mostrou a eleição. A atuação do governo petista na área social foi fundamental para a reeleição.

Assim, o discurso da continuidade de um “governo para os mais necessitados” foi a grande bandeira da campanha. Programas como o Bolsa Família, o Prouni e o Luz para Todos foram exaustivamente aclamados no palanque petista.

Pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgada em setembro mostrou que a pobreza no país diminuiu 19% na gestão Lula. Com base em dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), o levantamento mostra que a pobreza, que atingia 28,2% dos brasileiros em 2003, passou a englobar 22,77% em 2005 –ou 42,570 milhões de pessoas. Esse é o menor patamar desde que a pesquisa começou a ser feita, em 1992.

Lula detém o recorde de avaliação positiva de um presidente da República. Segundo pesquisa Datafolha, divulgada no dia 25/10, 53% da população classifica como boa ou ótima a gestão de Lula. Outros 31% consideram o governo petista regular. A taxa dos que acham a atuação do presidente ruim ou péssima é de 15%.

Segundo turno

Segundo o Datafolha, o início do segundo turno indicava uma disputa apertada –no dia 6/10, o petista tinha 50%, contra 43% do tucano. No entanto, nas pesquisas seguintes, Lula só aumentou sua vantagem.

Em 10/10, Lula registrava 51%, enquanto Alckmin aparecia com 40%. Uma semana depois, a diferença subiu para 19 pontos percentuais: 57% a 38%. Em 24/10, a vantagem do petista subiu para 21 pontos: 58% a 37%.

Durante o primeiro turno, Lula vinha em ascendência, dando a entender que venceria sem necessidade de disputar o segundo turno, mas caiu nas últimas duas semanas da campanha. Especialistas apontaram o escândalo do dossiê e a ausência nos debates como as principais causas para a prolongação do pleito.

No final de junho (29/06), Lula tinha 46% das intenções de voto. Dois meses depois (29/08), seu índice chegou a 50%. Na véspera do pleito, em 30/09, Lula voltou ao patamar dos 46%.

Abertas as urnas do primeiro turno, Lula obteve 48,61% dos votos válidos (que excluem brancos e nulos), contra 41,64% de Alckmin. Para eliminar a necessidade de disputar o segundo turno, Lula precisaria obter mais de 50%.

Fonte: Folha Online

Pra variar: GTA Rio pode estar por vir?

Quantas vezes você já ouviu que o Rio de Janeiro é um GTA da vida real? Pois é apostando nisso que David Jones, criador da série de jogos GTA declara que um dos cenários do GTA IV deve ser o Rio de Janeiro.

“Deveria ser em um lugar com vibração, algo que você possa capturar. Pense sobre a música que é associada com aquela cidade”, declarou David Jones para a revista oficial do Xbox 380 na Inglaterra, notávelmente falando sobre o funk, que complementa declarando que “gosto vibrações e vidas em jogos, nos quais você conhece várias cidades, realmente divertidas. San Andreas, Los Angeles, tanto faz. Não são locais interessantes como esse de conhecer”.

David Jones corre atrás para que o Rio esteja entre uma das cidades do GTA IV, tentando convencer a RockStars que o jogo pode ser um sucesso, mais precisamente Alex Dale, responsável pela criação de jogos. David usa o argumento turístico e violento da cidade: O histórico centro da cidade, o Maracanã, a estátua do Cristo Redentor, a floresta da Tijuca, os tiroteios das favelas, brilhantemente retratados no filme “Cidade de Deus”, e adicionando que os paraíso dos gangsters é bem aqui.

Após o GTA Rio, David declara que o próximo GTA pode ser feito em Las Vegas. “Eu recentemente achava que Vice City era o marco da série. Agora eu acho que o tempo, o estilo atual caem melhor. Prefiro fazer o próximo em Vegas”, declara.

Apenas dois jogos utilizaram o Rio de Janeiro como cenário: Counter Strike, que teve como cenário a Rocinha (foto acima) e o Drive 3, que teve como cenário a Zona Sul carioca.

Para ver o artigo original (em inglês), clique aqui.

Tradução das declarações: Sidewinder
Com informações do site Judão e da revista Xbox 380 UK.

Cobertura Internacional – Eleições 2006: Grande Prêmio Cadeira Vazia Brasil II

Inspirada numa narração de corrida de cavalo e dando continuidade ao “Grande Prêmio Cadeira Vazia” e escrito por mim.

Foi dada a largada para o “Grânde Prêmio Cadeira Vazia Brasil II – O Combate Final”. Luis Inácio “Não Sabia” Lula da Silva segue na dianteira, dando coices em Fernando Henrrique “Privatiza” Cardoso. Geraldo “Chuchu” Alckmin corre lá trás, e seus apostadores já lamentam antes da hora. Os apostadores de Heloísa “Blusa Branca” Helena estão divididos. Uns dizem que não aposta no cavalo neo-liberal e outros dizem que não quer ver o cavalo barbudo nem de ouro. O mesmo acontece com os apostadores do cavalo Buarque. O cavalo Chuchu Alckmin mostra alguma reação e vai correndo por fora depois da aceleração de ontem na arena Global. Senhoras e senhores, essa disputa ainda promete. Amanhã você vê o final dessa corrida!

Cavalo Chuchu Alckmin continua galopando “dossiê, dossiê, dossiê” e o cavalo Lula continua galopando forte “no governo deles, no governo deles, no governo deles”.

E como sempre: Haja coração, haja mensalão, haja acordão, haja dossiê e haja saco amigo!!