Cobertura Internacional: Atentados no Rio

Sobe para 19 número de mortos em onda de violência no Rio

da Folha Online

Subiu para 19 o número de mortos no Rio de Janeiro em decorrência da onda de ataques que atinge o Estado desde a madrugada desta quarta-feira. A vítima é um policial militar que estava internado –ele ainda não foi identificado pela SSP (Secretaria de Segurança Pública) do Rio.

Mais dois ônibus foram incendiados nesta tarde –um no bairro do Mesquita, em Nova Iguaçu, e outro no Atalaia, em Niterói. De acordo com o Corpo de Bombeiros, ninguém ficou ferido. As ações foram semelhantes –os criminosos pediram para que os passageiros descessem e atearam fogo nos ônibus.

Dos mortos, sete ocupavam um ônibus da Viação Itapemirim incendiado no viaduto que liga a rodovia Washington Luiz à avenida Brasil. O veículo havia saído de Cachoeiro de Itapemirim (ES) e deveria chegar a São Paulo na manhã desta quinta, com 28 passageiros.

A lista com nome de todos os mortos não foi divulgada pela SSP.

As sete pessoas morreram carbonizadas. De acordo com a empresa, alguns passageiros, assustados, fugiram do local e ainda são procurados pelas autoridades. A viação afirma que assumirá as despesas dos traslados dos mortos. Os nomes das vítimas ainda não foram divulgados.

A Polícia Militar informou que três homens apontados por uma testemunha como envolvidos no incêndio foram presos. Eles estão com as mãos queimadas e não teriam apresentado justificativas para os ferimentos.

Também morreram o soldado da PM Robson Padilha Fernandes e o cabo Marcelo da Silva Oliveira, baleados em diferentes pontos do Rio. As outras vítimas são uma vendedora ambulante que estava perto de uma cabine da PM em Botafogo e um homem que estava na porta da 28 DP.

Sete supostos criminosos morreram em confronto com a polícia –dois em Mesquita, dois no complexo da Maré, um na avenida Ayrton Sena, um em Benfica e outro no morro do São Carlos. Com eles, os policiais afirmam ter apreendido dois fuzis, quatro pistolas e uma granada.

A onda de ataques também deixou 22 pessoas feridas. Os criminosos atacaram a tiros delegacias, carros e cabines da Polícia Militar.

Segundo balanço divulgado pela Secretaria da Segurança Pública, os criminosos agiram em 12 pontos. Os alvos foram uma cabine da PM em Botafogo; o Shopping Carioca; a 6ª DP (Cidade Nova); a 28ª DP (Campinho); um carro do 31ª Batalhão que estava na avenida Ayrton Senna; um outro carro da polícia que estava na Lagoa; o Destacamento de Policiamento Ostensivo em Mesquita; dois ônibus no Trevo das Missões; uma cabine da PM no shopping Nova América; dois ônibus na área do 14º Batalhão da PM (Bangu); um carro do Batalhão de Policiamento de Vias Especiais na Perimetral e o Destacamento de Policiamento Ostensivo da PM do Alto da Boa Vista.

Crime organizado

Para o secretário da Segurança Pública, Roberto Precioso Júnior, a ordem para os ataques partiu de presos, que temem mudanças na administração penitenciária a partir de 2007, com a troca de comando do governo do Estado, e o endurecimento do regime disciplinar.

Ele afirmou que a série de ataques não foi organizada por uma única facção, mas por criminosos que se uniram em torno de interesses comuns para pressionar o governo a, mais tarde, negociar concessões e privilégios. Uma das preocupações dos criminosos seriam os prejuízos financeiros causados por ações do governo, como as de repressão ao tráfico de drogas.

O secretário disse que o movimento era monitorado pelo setor de inteligência e considerou que as ações da polícia evitaram um número maior de mortes.

“Com as informações colhidas pela nossa área de inteligência e a colocação das forças policiais nas ruas, conseguimos evitar, apesar das lamentáveis mortes de policiais e inocentes, que houvesse uma tragédia de dimensão maior, como a ocorrida em São Paulo, onde centenas de pessoas foram assassinadas”, afirmou ele, em referência aos ataques promovidos pelo PCC (Primeiro Comando da Capital).

Neste ano, a facção que atua em São Paulo promoveu três ondas de violência. Inicialmente, os alvos foram as forças de segurança e, depois, os atentados atingiram ônibus e prédios públicos.

Anúncios

Um comentário sobre “Cobertura Internacional: Atentados no Rio

  1. Pois é…

    O que eles ganham com a morte dos outros? Nada…

    E logo perto do Ano Novo, pra você ver…

    O país não vai andar desse jeito… Porque isso só faz regredir… Se a cada atitude da Polícia em benefício da população ocorrer algo do tipo, seria melhor deixar virar uma merda logo e cada um por si…

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s