Olá a TODOS e – por que não? – a TODAS!

Sim, já cheguei posando de feminista, pose esta que deveria ser adotada por todos os seres do sexo feminino! Cá entre nós, êta gramática machista esta da língua portuguesa, hein!?
Mesmo que estivermos em uma sala com 500 mulheres e um homem, receberemos um grotesco “olá a todos“. Pois não é à toa que o Brasil está do jeito que está! Até a nossa língua é machista! Que exemplo os dicionários e livros de português vão passar à sociedade?! Afinal, tem espaço para TODOS e TODAS em nosso vocabulário. Eu, hein…

Bom, sem mais discursos feministas – pelo menos até as próximas 10 linhas -, eu gostaria de agradecer à equipe do Blog Internacional pelo honrável convite! Pareceu roubar meus pensamentos: eu já estava com planos de começar um blog. Eu adoro todo tipo de mídia alternativa, e como quase todo mundo possui Internet, nem que seja só por algumas horas na lan-house da esquina, achei que já era hora de abrir um também, para botar a boca na web. Não para ser igual aos aspirantes à Noblat e me enquadrar nos moldes dos jornalistas-inconformados-que-odeiam-as-mídias-de-massa… não! Sem clichês, please! Eu queria mesmo era abrir um espaço democrático, onde não somente eu pudesse falar o que bem entendesse, mas sim todos. Abrir uma espécie de ‘portal de discussão’, um espaço para tratar de diversos temas, com várias pessoas, de todos os lugares do mundo, cada um passando seu ponto de vista. E o Blog Internacional pareceu cair do céu!

Jornalista que é jornalista, não sabe quando calar a boca – ou calar os dedos. Acostumem-se com meus textos longos e cheios de reflexões, já é marca registrada. Se for curto e sem nada à acrescentar, não é meu, é cópia mal-feita. Pra mim, não tem essa de limitar o jornalismo à míseras 25 linhas. Jornalismo vai muito além de número de linhas, número de caracteres, de palavras… é liberdade de expressão! Enquanto existirem fatos, o texto não acaba! Portanto, vamos criar o hábito de ler, pois, se depender de mim, vocês vão ler até cansarem as vistas. Mas prometo que será uma leitura prazeirosa.

Ah, e o menos importante de tudo: meu nome é Roberta, sou de São Paulo e estou no 3º ano de Jornalismo. Pretendo seguir o caminho dos meios impressos – revistas, jornais, zines, panfletos, tudo o que for impresso em papel – ou do webjornalismo, que, para mim, seria juntar o útil ao agradável: jornalismo + computador, duas coisas que prezo!

O que mais eu gosto? Bem, eu adoro escrever (acho que ninguém reparou!), adoro tudo o que tenha relação com jornalismo, gosto muito de ler, adoro animais, amo muito meu namorado e sou influenciada diretamente pelo movimento punk, tanto pela ideologia, quanto pelas músicas.

É isso. O resto vocês vão descobrindo com o tempo!

Enfim, não vou dizer que espero ser bem recebida e que todos gostem de mim, pois não é o que quero. Ninguém aqui precisa gostar de mim, basta lerem meus textos e comentarem sobre eles. Não quero que concordem com tudo, sintam-se livres para emitir qualquer tipo de opinião! Senão esse blog não teria propósito, oras. Seria mais uma Globo da vida.

Obrigada pela atenção!