Última semana da RCTV

Está chegando ao fim o contrato de concessão da RCTV (Rádio Caracas de Televisión), segunda maior emissora de TV da Venezuela. O presidente do país, Hugo Chávez, disse que a RCTV é uma rede anti-democrática e que favorece os interesse de pequenas elites. Segundo Chávez, a rede ajudou no golpe de abril de 2002 que o tirou do poder por 48 horas.

O contrato da emissora vence neste dia 27 de maio, porém os executivos da emissora afirmam que o contrato teria validade até 2022. “Defendemos a democracia, defendemos a liberdade, defendemos os meios livres independentes como a RCTV ou permitiremos que o presidente derrube o país no precipício do totalitarismo onde nem se quer seus próprios seguidores podem opinar”, disse Marcel Granier, diretor-geral da RCTV.

Jornalistas, artistas, políticos e populares concentraram-se em uma praça de Caracas, capital da Venezuela, gritando “não ao fechamento da RCTV” e defendendo o direito de expressão. A marcha, apelidada de “La Mamá de las Marchas” (A Mãe das Marchas). A emissora de TV tem feito um apelo popular para que pedissem ao presidente não ao fechamento da RCTV. Nesse apelo, a emissora cita as novelas que ficarão sem fim. Nesta semana, o Tribunal Supremo de Justiça venezuelano julgou “inadmissível” um recurso da RCTV de continuar com seu sinal.

No lugar da RCTV, entrará ao ar uma rede estatal de televisão, que Chávez tem dito ser “a serviço do povo”. O presidente convidou a todos os atores simpatizantes de seu governo para protagonizar uma novela na nova rede.

A RCTV foi fundada no dia 15 de novembro de 1953 por William H. Phelps e foi a terceira emissora de TV a ser fundada na Venezuela. A primeira novela da TV venezuelana foi “Camay”, produzida pela RCTV em 1954. As telenovelas da RCTV já foram exibidas no Brasil: “Pedro, o Escamoso” e “Paixões Ardentes”, ambas pela RedeTV! Os maiores sucessos da RCTV atualmente são as novelas “Camaleona”, “La Ex”, “Los Reyes” e “Te Tengo en Salsa”, além da versão venezuelana do Show do Milhão, o “Quién Quiere Ser Milionário”.

O que vemos é uma prova de tirania e ditadorialismo. Uma amostra que Hugo Chávez é simplesmente um ditador, que irá perseguir todos que forem contra seu governo. É o perigo de que Chávez realmente esteja se tornando um novo Fidel Castro. Tomara que a moda não pegue.