Protesto para a educação carioca mobiliza 4 mil

Alunos, pais e professores se organizaram num protesto em frente a sede da Prefeitura do Rio, no centro, na manhã e tarde de hoje (23/05). O protesto foi contra a resolução 946, que diz que os alunos da Rede Municipal de Ensino não podem ser reprovados, além do pedido de aumento salarial e melhores condições e trabalho. O ato reuniu mais de 4 mil pessoas, entre professores, alunos e responsáveis.

Faixas como “‘Sézar’ Maia é um cara ‘legau'”, “A morte da ‘educassão'” e “Sem educação, a violência não tem solução!” foram penduradas na passarela próxima ao local onde acontecia o protesto. Por volta das 11h, a Secretária de Educação do Rio de Janeiro, Sônia Mograbi, mandou avisar que iria receber a comissão formada por dirigentes do Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação), professores, responsáveis e alunos, fato que acabou não acontecendo. A versão apresentada na hora era que Sônia receberia apenas oito pessoas, e não dez. “Nos deram chá de cadeira”, informavam os alto-falantes.

Gritos de ordem como “O estudante é nosso amigo. Mexeu com ele, mexeu comigo” e paródias musicais como “Vou excluir, sem reprovar. O César Maia vai gostar! Explode coração, vou excluir um cidadão!” eram gritadas e cantadas a todo momento. No local, eram distribuídos narizes de palhaço e apitos.

Várias vezes durante o protesto foi lembrado do Pan-Americano, evento que ocorrerá no mês de julho na cidade do Rio. “Tem verba para o Pan mas não tem pra educação”, gritavam os protestantes. “Essa prefeitura é um exemplo de má administração. Nem o Pan eles sabem fazer direito. Faltam menos de 50 dias e ainda tem muita coisa faltando.”, gritavam os organizadores do protesto. O Sepe diz que se até o Pan as reivindicações não forem atendidas, uma nova paralisação e protesto acontecerá durante o evento.

Várias vezes foi perguntado porque o prefeito César Maia e a secretária Sônia Mograbi não colocavam seus netos na escola pública, já que esse formato de ensino é tão bom. “Pergunta pra escola particular se tem ciclo, se tem aprovação automática. Essas pessoas que fizeram essa resolução não estão nem aí para os alunos das escolas públicas”, explicou a professora de história Andréa Dias, da E.M. Ramiz Galvão. Quando perguntada qual é a educação que deve ser aplicada no Rio de Janeiro, a professora disse que “é a educação que possibilite e incentive a ascensão social, para que os alunos da rede municipal tenham as mesmas possibilidades de conhecimento dos alunos da rede particular”.

A defesa de um ensino que qualidade foi unânime entre os professores. A professora de geografia Maria Ângela Reginato, também da Ramiz Galvão, pensou no futuro do país. “Um país que não investe em educação está fadado a ser sempre um país subdesenvolvido”, explicou a professora.

Ao final do protesto, por volta das 13h, um pequeno tumulto preocupou os participantes. Segundo o Sepe, PMs e Guardas Municipais agrediram os manifestantes com gás de pimenta e fisicamente, sem nenhum motivo aparente. Mais cedo, o professor de história André Porfírio, da E.M. Cardeal Arcoverde foi agredido por um guarda municipal quando tentava convencer a guarda que liberasse o acesso aos sanitários do Centro Administrativo para uso das professoras que estavam no local. O professor fez um Boletim de Ocorrência na 6ª DP.

Depois do protesto na prefeitura, o grupo seguiu em sentido a Candelária, ocupando a pista do meio da Av. Presidente Vargas, onde se juntou em um protesto contra a reforma da Previdência e foram para outra assembléia da categoria na ABI.

Anúncios

3 comentários sobre “Protesto para a educação carioca mobiliza 4 mil

  1. Não concordo com este absurdo de “aprovação automática” no ensino público. Imagino o nível de indignação dos professores, pais e alunos, diante deste descalabro. Mais um “desserviço” para a educação, tão maltratada e desrespeitada por sucessivos governos… A educação neste país precisa ser totalmente reestruturada e encarada com seriedade. Que cidadãos teremos no futuro?
    Acho que, para começar, são imprescindiveis e urgentes os seguintes passos:

    1) Remunerar dignamente os professores, motivando-os para realizar a nobre tarefa de ensinar, com a responsabilidade que esta função deve ter. Bem remunerados, terão como fazer um bom trabalho.

    2) Modificar estruturalmente a maneira de educar: promover a leitura; discutir exaustivamente um texto; estimular o senso crítico dos alunos; manter o interesse do estudante em aprender; explorar a curiosidade do aluno; entre outras coisas. Enfim, procurar desenvolver a auto-estima do estudante. Este ponto de partida seria um facilitador para manter o aluno comprometido com o estudo. Procurar vínculos entre as diferentes matérias, de modo que um mesmo tema possa ser abordado, sob ótica diferenciada, em aulas distintas. Enfim, acho importante mostrar que estudar não só pode, como deve ser prazeroso.

    3) Manter, no máximo, 25 alunos por sala. Com professores bem remunerados, não haverá escassez deste profissional… Quanto à falta de escolas, uma política séria de educação (sem desvios de verba) teria como solucionar esta questão…

    4) Avaliação de aluno não pode ter caráter punitivo, mas sim de buscar alternativas mais adequadas para promover o crescimento do aluno. Por outro lado, simplesmente deixar de reprová-lo, apesar de ter tido oportunidades para melhorar, só irá adiar o problema. Há que se observar o desempenho em todas as matérias; tentar uma recuperação naquelas em que o aluno tenha chance de sucesso, e reprová-lo apenas naquelas em que, definitivamente, ainda não está preparado para prosseguir. Dá um pouco mais de trabalho, é claro, mas é bem mais justo e coerente.

    Claro que existem outras questões, mas se ao menos partíssemos desses pontos, já seria um bom começo.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s