Alunos da USP satirizam reitora com ‘joga pedra na Suely’

Após a desocupação do prédio da Universidade de São Paulo (USP), a área da reitoria virou palco da manifestação dos alunos. Eles chutaram pneus, jogaram água na imprensa e estão gritando palavras de ordem e críticas à reitora, Suely Vilela.

Um grupo de estudantes está cantando o refrão da música “Geni e o Zepelin”, de Chico Buarque, com o nome da reitora no lugar da personagem tema da canção. Eles entoam:

“Joga pedra na Suely
Joga bosta na Suely
Ela é feita pra apanhar
Ela é boa de cuspir
Ela dá pra qualquer um
Maldita Suely”

Estudantes e funcionários começaram a deixar o prédio, ocupado desde o dia 3 de maio, por volta das 18h desta sexta-feira (22) após um acordo com a reitoria da instituição.

Alguns alunos estavam com o rosto pintado e outros com nariz de palhaço. Eles saíram do prédio gritando “limpeza, limpeza” e jogaram água na imprensa. O momento da saída foi ao som da música “Pra não dizer que não falei de flores”, de Geraldo Vandré, símbolo da luta contra a Ditadura Militar no Brasil.

Eles só decidiram sair após a reitora assinar documentos contemplando parte da pauta de reivindicações tanto de estudantes como de funcionários. O chefe de gabinete da universidade, Alberto Carlos Amadio, está no local para vistoriar o prédio.

Os alunos decidiram pela a saída do prédio em assembléia realizada na noite desta quinta-feira (21). No entanto, aguardavam a decisão dos funcionários da universidade que também integravam a ocupação.

Numa assembléia na tarde dessa sexta em frente à reitoria, os funcionários apoiaram a resolução dos estudantes e também decidiram suspender a greve, que haviam iniciado no dia 16 de maio. Contou na decisão dos funcionários, o Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) ter recebido às 13h dessa sexta um termo de compromisso da reitora da instituição, Suely Vilela.

Os professores István Jancsó, do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB), Luiz Martins, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e João Adolfo Hansen, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), intermediaram as negociações entre reitoria, alunos e funcionários.

O documento entregue aos alunos foi formulado a partir da carta de reivindicações enviada por eles. A previsão era que a desocupação acontecesse até as 17h de sexta. Veja o termo de compromisso aqui.

Um outro documento foi entregue aos funcionários na tarde dessa sexta. A proposta entregue ao Sintusp tem como pontos principais a não-punição aos grevistas e a formação de uma comissão que deverá negociar outros avanços nas reivindicações.

Segundo o professor Istvan Jancso, do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB), os docentes trabalharam voluntariamente durante dois dias na tentativa de reabrir as negociações. De acordo com eles, durante a redação das propostas houve contato direto com representantes dos estudantes e com a reitora. Também participaram da “comissão de facilitadores” os professores Paulo Arantes, Chico de Oliveira e Luis Martins.

(o G1)

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s