Crítica: (Falta de) Charme, com Patrícia Salvador

Ontem de madrugada, no SBT, sem nenhuma divulgação, estreou o “Charme” com a apresentação da assistente de palco Patrícia Salvador. Pra quem não sabe, Patrícia Salvador é assistente de palco de Silvio Santos. Ela segura as bolas do sorteio da Telesena, revelava as letras no “Roda a Roda”, e é dubladora das músicas no “Qual é a Música?”. Patrícia já esteve no comando do programa uma vez, cobrindo uma falta de Adriane Galisteu quando a mesma estava doente.

Totalmente sem rumo, Patrícia mal sabia o que fazer durante o programa. Sem carisma, deixava o programa que já era ruim, pior ainda. Em todas as ligações, ela perguntava duas ou mais vezes o nome da pessoa, além de uma leitura artifical do TP.

O programa “Charme” ficou em terceiro lugar de audiência, atrás do “Jornal 24 Horas”, do “Fala Que Eu Te Escuto”, do “Programa do Jô” e do “Intercine”. Talvez Patrícia esteja cobrindo as férias de Adriane Galisteu, quando a mesma voltará a fazer entrevistas. Mas ficaria melhor pro SBT exibir filmes, séries, ou até mesmo, Chaves no horário.