Novo ‘Aqui Agora’ contará com Salete Lemos

O ‘pai’ dos jornais policiais voltará. O telejornal “Aqui Agora”, é a nova aposta do telejornalismo do SBT. Diferente da sua edição original, no começo dos anos 90, quando o pugilista Maguila era o comentarista econômico, a nova versão do “Aqui Agora” será mais comportada. A jornalista Salete Lemos, demitida da TV Cultura em meados de 2007, será a comentarista econômica do telejornal. Salete Lemos fez participações com cachê no programa “Hebe”.
A ordem é mesclar novos apresentadores com antigos. A jornalista Cristina Rocha, que âncorou a versão original, já está confirmada. Renato Sardenberguer também já está confirmado, para dividir a bancada com Cristina Rocha. João Leite Neto terá um quadro de reportagens diário. Celso Russomano, que estava na TV Gazeta, também estará de volta no “Aqui Agora”.

Rumores da volta do “Aqui Agora” começou em Setembro de 2007, quando o jornalista esportivo Jorge Kajuru disse que o apresentador do “Brasil Urgente”, José Luis Datena, teve uma reunião com Silvio Santos. Tempos depois, Silvio desistiu de contratar Datena por conta das várias multas com a Record, a RedeTV! e com a Band. O SBT até anunciou o “Jornal Policial” para às 18h, sem informar o dia, porém a estréia foi cancelada.

A data da estréia do novo “Aqui Agora” já está definida: 3 de março, às 18h.

Crise na Polícia Militar do Rio

Tanto o governador Sérgio Cabral quanto o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, reafirmaram, nesta quarta-feira (30), a intenção de exigir disciplina e não voltar atrás da demissão do comandante-geral da PM, coronel Ubiratan Angelo.
Ubiratan foi exonerado na terça-feira (29) depois de tomar a decisão de não punir os oficiais – pelo menos, oito deles em postos de comando – que fizeram uma manifestação por melhores salários domingo (27) nas proximidades da residência de Sérgio Cabral, no Leblon, na Zona Sul do Rio.

O novo comandante da PM é o coronel Gilson Pitta Nunes, que chefiava o serviço reservado (PM2) da corporação. Diante da ameaça de pedido coletivo de demissão por 40 oficiais, o governador Sérgio Cabral enfatizou:
“Não é meia-dúzia de membros que vai atrapalhar uma corporação que tem um dever a cumprir”. Cabral afirmou ainda que “a PM é composta por valorosos combatentes. A disciplina é fundamental e a situação vai se normalizar rapidamente”.

Para o governador, a Secretaria de Segurança Pública tem autonomia na nomeação de cargos. Cabral disse ter conhecido o novo comandante, coronel Gilson Pitta Lopes, apenas na última terça-feira.

Demissão de Ubiratan

O secretário Beltrame comentou a demissão de Ubiratan:

“Com relação à troca de comando, eu não volto atrás porque entendo que durante todo o ano de 2007 essas pessoas tiveram meu apoio. A Polícia Militar tem o meu apoio, a PM tem no secretário uma pessoa que luta por salários, que luta por condições de trabalho”.

Em relação a possíveis represálias por parte da PM, Beltrame diz que não pretende ceder. “Tenho as minhas convicções. Estive e continuo aberto a qualquer tipo de discussão. Nunca foi fechado a nenhum tipo de diálogo. Acho que eles estão no direito deles de tomarem a medida que eles acharem por bem tomar.”

Barbonos e salários baixos

Sobre o movimento dos coronéis denominado os Barbonos, o governador Cabral afirmou que o grupo não irá tirar o prestígio do secretário José Mariano Beltrame. “É um movimento isolado, tolo, que não tem cabimento. Essa meia-dúzia quer confronto, balbúrdia e desordem na PM e não vai conseguir”.

Sérgio Cabral comentou ainda a reclamação pelos baixos salários pagos ao PMs. “Existiu um esforço para pagar no primeiro ano o reajuste de profissionais de segurança, mas ainda está longe do ideal”.

O secretário Beltrame confirmou saber que o novo comandante, Gilson Pitta Nunes, era um dos integrantes dos Barbonos, o movimento que reivindica melhores condições de salário. Acredita, no entanto, que ele tenha voltado atrás por não concordar com as medidas tomadas pelo grupo durante as últimas manifestações.
Beltrame garante que a política de segurança do carnaval já está pronta e que a crise na PM não abalará as decisões tomadas. “Se as pessoas quiserem sair, obviamente terão seus substitutos. A instituição tem quase 40 mil homens”, falou.

ICQ – A volta do pioneiro

ICQ, sigla de “I Seek You” (Eu Procuro Você), o pioneiro dos Instant Messengers, foi lançado em 1997 pela Mirabilis, que atualmente pertence à AOL.
O “pai” dos Messengers, foi líder do mercado durante vários anos, atualmente dominado pelo Windows Live Messenger, sucessor do MSN Messenger, lançado em 2001 pela Microsoft. Durante vários anos, essa guerra travada pelo ICQ e o MSN foi bem disputada. Enquanto o ICQ tinha serviços e praticidade, o MSN tinha a disponibilidade de usar fotos, webcam e a popularidade.

Porém, o saudosismo tem falado mais forte no coração dos internautas mais antigos. Ouvir aquele sinal de navio quando conectado, o “oh ou” a cada mensagem recebida, e ver aquela florzinha verde no canto da tela. O ICQ sempre teve serviços que só a nova versão no Windows Live Messenger que foi ter. Porém, o ICQ tem três vantagens sobre o Windows Live Messenger:

– Leveza (Tem a metade do tamanho do Windows Live e gasta bem menos o CPU)
– Praticidade (O ICQ não tem milhares de abas de propaganda, como o Windows Live e os serviços são mais fáceis de usar)
– Rapidez (as mensagens chegam mais rápido ao usuário, e as mensagens sempre são entregues)

Já sobre popularidade, isso quem faz é o usuário. Convide amigos que estão no seu MSN a usar o ICQ, e redescobrir os prazes dos tempos passados.

O ICQ ainda é bastante usado na Europa e em parte dos EUA e está em sua versão 6.0. O ICQ do blogueiro é o número 398920990.