Cartão Bomba

Recentemente vimos na imprensa o caso dos cartões corporativos que são usados por seguranças, assessores, ministros e a Presidência da República. Agora os ministros são aconselhados a não ter cartões corporativos em seus nomes, apenas os assessores, talvez para que os ministros não sejam envolvivos em novos escândalos.

Bem provável que só quem sofra as conseqüencias sejam os seguranças que compraram as esterias de ginásticas e não o reitor na Universidade de Brasília, que gastou dinheiro com hotéis de luxo e restaurantes.

Os governistas do Senado pretendem virar a mesa, e investigar o uso do cartão corporativo no Governo FHC. A oposição diz que não importa. E não importa mesmo, desde que não seja limitado apenas no Governo FHC, mas também no Governo Lula e governos anteriores.

O pior é que o governo mandou tirar as informações do “Portal da Transparência”. Ou seja, o Protal da Transparência não é mais tão transparente assim.

A imagem acima parece ser uma premonição desse escândalo dos Cartões Corporativos. Essa montagem foi feita na mesma época do mega-escândalo do Mensalão, mas não deixa de ser atual.