Realengo – Um bairro mal aproveitado

Realengo, um bairro de classe média e média-baixa, tem 176 mil habitantes. Seus filhos mais ilustres são o sanitarista Oswaldo Cruz, que está na história do país, o cantor Jorge Ben Jor e o ator Raul Gazolla e, inclusive, servindo de inspiração para Gilberto Gil na criação da música “Aquele Abraço” (alô, alô, Realengo, aquele abraço…).

Desde o começo de sua história, Realengo nunca foi bem aproveitado, servindo apenas para passagem do D. Pedro I enquanto ia para seu palácio em Santa Cruz. Seu nome é derivado do termo “terras realengas”, que significa “longe da corte”. Até 1970, Realengo era um bairro rural, com grandes campos e terrenos baldios, mas com a criação do Conjunto Habitacional, a famosa COHAB, essa situação mudou, e com o passar dos anos todo o bairro foi povoado.

O ponto máximo de Realengo foi a inauguração da Fábrica de Cartuchos, hoje abandonada, gerando vários empregos e impulsionando o povoamento do bairro.

Realengo tem muitos pontos mal-aproveitados, muitos prédios abandonados, que, sem dúvida, podem ser muito bem aproveitados, na construção de áreas de lazer, como lojas, shopping, jogos, cyber-cafés, danceterias, estádio de futebol, entre outros.

Fazemos aqui uma lista de benefícios que uma revitalização no bairro pode trazer não somente para o próprio bairro, mas também para a Zona Oeste carioca:

Fim do Desemprego – Com a criação de shoppings, lojas e aéreas de lazer em geral, empregos serão gerados, assim, o número de desempregados na região cairia drásticamente.

Fim da violência – Com a grande oportunidade de emprego no bairro, seriam menores as chances de um jovem ser aliciado pelo tráfico de drogas.

Lucros – A carência do povo da região por áreas de lazer é muito grande. São poucas as opções, e a maioria é distante do bairro. Pra citar um exemplo, apenas no Norte Shopping tem opções de lazer, como boliche e teatro, e a viagem de ônibus até lá é muito longa e cansativa. Com opções por perto, os moradores de Realengo, e das regiões próximas, irá dar preferência a uma opção próxima.

Valorização do bairro – Com opções de lazer por perto, o valor dos imóveis na região aumentaria, pois casa perto de comércio é bem valorizada.

Não perca na segunda parte dessa matéria áreas e prédios que poderiam ser melhores aproveitados.

Álvaro Lins é preso e Anthony Garotinho é indiciado

O Ministério Público Federal apresentou denúncia à Justiça Federal contra o ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, o deputado estadual Álvaro Lins e mais 14 pessoas por, supostamente, integrarem uma organização criminosa.

Segundo a denúncia oferecida ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região, o grupo de 16 pessoas usava a estrutura da Polícia Civil do Rio de Janeiro para praticar lavagem de dinheiro, facilitação de contrabando e corrupção.

Lins, preso em flagrante pela PF na manhã desta quinta-feira (29), foi denunciado pelos crimes de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha armada, facilitação de contrabando e corrupção passiva. Como tem imunidade parlamentar, Álvaro Lins não poderia, teoricamente, ter a prisão preventiva decretada.

O Ministério Público alega, porém, que a prisão dele só foi possível porque havia um flagrante referente aos crimes de lavagem de dinheiro. Em caso de flagrante delito, qualquer parlamentar pode ser preso, desde que o crime seja inafiancável.

O assunto está sendo examinado pela Mesa Diretora da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), que ainda não anunciou sua posição.

Segundo a Polícia Federal também foram presos em flagrante a ex-mulher do deputado, Luciana Gouveia dos Santos, e o sogro do deputado, Francis Bulos, que seriam usados como ‘laranjas’.

Em outros momentos, ao comentar as denúncias, Álvaro Lins já havia negado as acusações, atribuindo os ataques a um delegado que seria seu adversário na polícia.

Já o ex-governador Anthony Garotinho está sendo denunciado por formação de quadrilha armada.

Fonte: G1

——–

Tomare que esse canalha fique preso e que esse pilantra do Anthony Garotinho, que comandou o Rio durante 8 anos seja preso e que a Justiça não seja injusta e mantenha na cadeia esses dois pilantras! Cadeia Neles!!

O direito ao Foda-se

O direito ao Foda-se
por Millôr Fernandes ou Pedro Ivo Resende*

Os palavrões não nasceram por acaso. São recursos extremamente válidos e criativos para prover nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade nossos mais fortes e genuínos sentimentos. É o povo fazendo sua língua.

“Pra caralho”, por exemplo. Qual expressão traduz melhor a idéia de muita quantidade do que “Pra caralho”? “Pra caralho” tende ao infinito, é quase uma expressão matemática. A Via-Láctea tem estrelas pra caralho, o Sol é quente pra caralho, o universo é antigo pra caralho, eu gosto de cerveja pra caralho, entende?

No gênero do “Pra caralho”, mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o famoso “Nem fodendo!”. O “Não, não e não”! E tampouco o nada eficaz e já sem nenhuma credibilidade ”Não, absolutamente não!” O substituem. O “Nem fodendo” é irretorquível, e liquida o assunto. Te libera, com a consciência tranqüila, para outras atividades de maior interesse em sua vida. Aquele filho pentelho de 17 anos te atormenta pedindo o carro pra ir surfar no litoral? Não perca tempo nem paciência. Solte logo um definitivo “Marquinhos, presta atenção, filho querido, NEM FODENDO!”. O impertinente se manca na hora e vai pro Shopping se encontrar com a turma numa boa e você fecha os olhos e volta a curtir o CD do Lupicínio.

Por sua vez, o “porra nenhuma!” atendeu tão plenamente as situações onde nosso ego exigia não só a definição de uma negação, mas também o justo escárnio contra descarados blefes, que hoje é totalmente impossível imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano profissional. Como comentar a bravata daquele chefe idiota senão com um “é PhD porra nenhuma!”, ou “ele redigiu aquele relatório sozinho porra nenhuma!”. O “porranenhuma”, como vocês podem ver, nos provê sensações de incrível bem estar interior. É como se estivéssemos fazendo a tardia e justa denúncia pública de um canalha. São dessa mesma gênese os clássicos “aspone”, “chepone”, “repone” e, mais recentemente, o “prepone” – presidente de porra nenhuma.

Há outros palavrões igualmente clássicos. Pense na sonoridade de um “Puta-que-pariu!”, ou seu correlato “Puta-que-o-pariu!”, falados assim, cadenciadamente, sílaba por sílaba…Diante de uma notícia irritante qualquer um “puta-que-o-pariu!” dito assim te coloca outra vez em seu eixo. Seus neurônios têm o devido tempo e clima para se reorganizar e sacar a atitude que lhe permitirá dar um merecido troco ou o safar de maiores dores de cabeça.

E o que dizer de nosso famoso “vai tomar no cu!”? E sua maravilhosa e reforçadora derivação “vai tomar no olho do seu cu!”. Você já imaginou o bem que alguém faz a si próprio e aos seus quando, passado o limite do suportável, se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta: “Chega! Vai tomar no olho do seu cu!”. Pronto, você retomou as rédeas de sua vida, sua auto-estima. Desabotoa a camisa e saia à rua, vento batendo na face, olhar firme, cabeça erguida, um delicioso sorriso de vitória e renovado amor-íntimo nos lábios.

E seria tremendamente injusto não registrar aqui a expressão de maior poder de definição do Português Vulgar: “Fodeu!”. E sua derivação mais avassaladora ainda: “Fodeu de vez!”. Você conhece definição mais exata, pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau máximo imaginável de ameaçadora complicação? Expressão, inclusive, que uma vez proferida insere seu autor em todo um providencial contexto interior de alerta e autodefesa. Algo assim como quando você está dirigindo bêbado, sem documentos do carro e sem carteira de habilitação e ouve uma sirene de polícia atrás de você mandando você parar: O que você fala? “Fodeu de vez!”.

Sem contar que o nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional à quantidade de “foda-se!” que ela fala. Existe algo mais libertário do que o conceito do ”foda-se!”? O “foda-se!” aumenta minha auto-estima, me torna uma pessoa melhor. Reorganiza as coisas. Me liberta.”. Não quer sair comigo? Então foda-se!”. “Vai querer decidir essa merda sozinho(a) mesmo? Então foda-se!”.

O direito ao ”foda-se!” deveria estar assegurado na Constituição Federal. Liberdade, igualdade, fraternidade e FODA-SE.

—-

* Este texto é atribuido a Millôr Fernandes por várias fontes informais mas não sabemos nem onde, nem quando foi publicado. Outras fontes afirmam que esse texto foi escrito por Pedro Ivo Resende, que tinha uma coluna chamada “Loser”, publicada no finado E-Fanzine e no Cucaracha Zine.

Seja de quem for, esse texto é muito bom e reflete a necessidade diária de “uma porra aqui e um foda-se acolá”.

Cansado de ser roubado

Enquanto estamos em manutenção:

Casado

Para protestar contra a falta de segurança, um empresário de Cuiabá pendurou uma faixa com os dizeres “estou cansado de ser roubado” em frente ao escritório onde trabalha. De acordo com o rapaz, os prejuízos com os assaltos já passam de R$ 50 mil e os clientes aos poucos se afastam do escritório, que curiosamente fica na mesma rua de uma delegacia. O comandante da Companhia da PM, Edivaldo Souza Oliveira, afirma que a polícia tem feito prisões e apreensões na região, mas a população precisa denunciar mais os criminosos. (Foto: Reprodução/TV Centro América)

———

E eu estou cansado de ser retaliado. Não entendeu essa frase? Em breve vocês saberão!

Não agüento mais Isabella

É um pequeno desabafo, mas que acredito refletir em muitas pessoas neste país:

Eu não agüento mais ouvir criminalista falando que não foram a Anna Carolina Jatobá e o Alexandre Nardoni que mataram a menina Isabella. Então quem foi? O Sunda e o Lôxa????

Em tempo, não agüento mais ouvir falar de Isabella. Faz mais de um mês que a garota morreu. Deixa a alma da garota em paz. Porque não param pra discutir, por exemplo, a UNASUL??

Morre senador Jefferson Péres

Morreu nesta sexta-feira, em Manaus, o senador Jefferson Péres, líder do PDT no Senado, aos 76 anos, vitma de um infarto fulminante. Péres morreu na casa onde morava, no bairro de Adrianópolis. O senador passava o feriado de Corpus Christi com a família.

Em 2006, o senador foi candidato a vice-presidência do país na chapa do senador Cristóvão Buarque.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por sua vez, divulgou uma nota lamentando a morte do senador.

“Recebi com tristeza a notícia do falecimento do senador Jefferson Péres e transmito à sua família meus sentimentos. Jefferson Péres foi um político que sempre pautou suas ações pela defesa intransigente da democracia e da ética. Sempre procurou guiar-se pelo que julgava ser o interesse público, mesmo nos momentos de divergências com o Governo. É uma grande perda para o Brasil, para a Amazônia e para o Senado brasileiro.”

Sem dúvida a morte do senador representa o fim de uma das maiores reservas morais da política no nosso país, e empurra o PDT para ser um “partido a mais” como o PMDB e o PTB. O PDT, com Lupi, se envolve num mar de corrupção, e passa longe daquele PDT de Brizola. É lamentável que a política brasileira esteja num caminho tão “lamacento”.