Eleições 2008: Paes diz que Gabeira quer legalizar cafetões e é “despreparado”

‘Ele não tem propostas’, diz Eduardo Paes

ANDRÉ ZAHAR
colaboração para a Folha Online, no Rio

O candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro Eduardo Paes (PMDB) elevou nesta segunda-feira o tom dos ataques ao adversário Fernando Gabeira (PV). A seis dias do segundo turno, o peemedebista disse que a candidatura do verde é “oca”, “despreparada”, “oba-oba” e “sem proposta”. Citando o projeto de lei que regulamenta a profissão de prostituta, Paes disse ainda que Gabeira quer legalizar a profissão de cafetão.

As declarações foram feitas após encontro, no centro do Rio, com mulheres de PMDB, PC do B, PT e PSB –partidos que o apóiam no segundo turno. Paes disse que vai tentar enfatizar na reta final a suposta falta de projetos do verde para a cidade do Rio.

“Se algum de vocês [repórteres] puder me dizer algumas propostas do candidato Fernando Gabeira, eu pago um jantar no restaurante mais caro do Rio de Janeiro. Ele não tem propostas”, disparou Paes.

Paes ironizou a presença de artistas no programa eleitoral do adversário. “Faltam propostas ao candidato. É só oba-oba, musiquinha, jingle, muito artista na televisão. Infelizmente não vamos passar os próximos quatro anos ouvindo o Caetano Veloso cantando Cidade Maravilhosa. Adoraria que isso resolvesse os problemas da cidade, mas estamos elegendo o prefeito da cidade, não alguém que vai ficar nos entretendo nos próximos quatro anos”, disse.

O peemedebista afirmou que Gabeira “não sabe absolutamente nada” sobre o Rio e “não faz idéia do que vai fazer com a cidade”. Ele sustenta que o verde tem uma candidatura “vazia, oca e despreparada”.

Paes também voltou a citar o projeto de lei do deputado federal sobre a prostituição, que usou ontem para atacar Gabeira no debate da TV Record.

“O deputado Fernando Gabeira mentiu ontem. Tem um projeto de lei dele que regulamenta a prostituição e tira do código penal o crime de tráfico de mulheres e de corrupção de menores. Ele mentiu ontem descaradamente no debate”, disse.

Gabeira disse que o adversário quer confundir o eleitorado. “É uma tentativa de deformar os projetos e me comprometer com o eleitorado mais conservador, mas não vai ter resultado.”

Ao citar panfletos sobre o assunto que a vereadora Liliam Sá (PR) tem distribuído na porta das igrejas evangélicas para prejudicar Gabeira, o peemedebista disse que os políticos podem manifestar suas opiniões. “Os políticos não podem mais manifestar opinião? Eu, por exemplo, não sou a favor de legalizar a profissão do cafetão”, disse.

O encontro no centro do Rio contou com a participação da candidata derrotada no primeiro turno Jandira Feghali (PC do B). Paes anunciou o desejo de criar uma secretaria para as mulheres, mas não disse que Jandira será a titular da pasta.

Anúncios

Eleições 2008: Gabeira segue na frente no Datafolha

Pesquisa também traça o perfil dos eleitores de cada candidato

Por Luan Borges
Direto ao Ponto

O candidato Fernando Gabeira (PV), que, segundo as pesquisas do 1ª turno estava em terceiro lugar, está na dianteira nas pesquisas de intenção de voto, segundo o Datafolha, com 43% dos votos, empatado tecnicamente com Eduardo Paes (PMDB), que tem 41%.

Votos brancos ou nulos representam 7%. Eleitores indecisos somam 9%

Os eleitores de Gabeira ficam acima da média entre os mais jovens (53%), os mais escolarizados (60%) e os mais ricos (62%), e entre os que desaprovam (consideram ruim ou péssimo) os governos de Cesar Maia (47%), de Sérgio Cabral (55%) e, principalmente, de Lula (58%). Também os simpatizantes do PDT declaram voto superior à média para Gabeira (54%).

Já, o eleitorado de Paes destaca-se entre os mais pobres (46%), entre os menos escolarizados (49%) e entre os mais velhos (50%), bem como entre os que não estão atualmente no mercado de trabalho (49%), além dos eleitores que, ao contrário do que ocorre com seu adversário, aprovam os governos nas três instâncias: 48% dos que avaliam como ótima ou boa a gestão de Cesar Maia, 55%

entre os que aprovam Cabral e, um pouco menos expressivamente, entre os que aprovam Lula (46%). Entre os simpatizantes do PMDB, alcançam 65% as menções a Paes.

Foram entrevistados 1.304 eleitores no Rio de Janeiro, nos dias 07 e 08 de outubro. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Eleições 2008: 30 candidatos são presos

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Ayres Britto, divulgou às 14h um balanço preliminar das eleições. De acordo com o relatório, 1.212 urnas apresentaram problemas e foram substituídas em todo o Brasil. Foram registradas 509 ocorrências de irregularidades, 168 prisões, sendo 30 candidatos.

De acordo com Britto, os erros das urnas são “compreensíveis”, e estão dentro da normalidade, uma vez que representa apenas 0,32% do total de urnas usadas nas eleições.

Há apenas dois casos de eleições usando cédulas de papel. Um é em São Bernardo do Campo, em São Paulo, e outro na cidade de Mari, na Paraíba.

O TSE não informou em quais cidades ocorreram as prisões e nem quais foram os candidatos presos.

Eleições 2008: Voto nulo anula eleição?

Depois de um período sem atualizações por pobremas téquinicos, voltamos com força total para a cobertura das Eleições 2008. O pleito ocorrerá amanhã, e no Rio de Janeiro, os candidatos à Prefeitura, por ordem alfabética, são:

Alessandro Molon (PT) – 13
Antonio Carlos Silva (PCO) – 29
Chico Alencar (PSOL) – 50
Eduardo Paes (PMDB) – 15
Eduardo Serra (PCB) – 21
Fernando Gabeira (PV) – 43
Filipe Pereira (PSC) – 20
Jandira Feghalli (PC do B) – 65
Marcelo Crivella (PRB) – 10
Paulo Ramos (PDT) – 12
Solage Amaral (DEM) – 25
Vinícius Cordeiro (PT do B) – 70

Para votar nulo, ou seja, em nenhum candidato, deve-se votar em um número inexistente, como o 99 ou 00. Para votar em branco, apenas pressione o botão “Branco” na urna eletrônica e confirmar. É bom lembrar que votos brancos e nulos são contados da mesma forma: votos inválidos.

Desde 2004, uma mensagem circula pela internet dizendo que, se o número de votos nulos for maior do que os votos válidos, a eleição será anulada e refeita com outros candidatos. Isso não é verdade. O que acontece é que a legislação eleitoral prevê que, caso haja nulidade do voto maior que 50%, novas eleições devem ser feitas. Só acontece a nulidade do voto, ou seja, o voto torna-se anulado, quando o candidato que foi votado tenha sua candidatura impuguinada, quando urnas são extraviadas ou votos fraudados.

Em 2004, várias cidades brasileira tiveram que fazer novas eleições por conta da nulidade do voto ter sido maior que 50%, ou seja, por irregularidades dos candidatos ou outros fatores. Para saber mais sobre o assunto, clique aqui.

Não tem jeito, você terá que votar, e não tem como protestar (e o nosso forte é a rima, como diz a Penélope da MTV). Bons eram os tempos das cédulas, onde se podia votar no Macaco Tião. Millôr Fernandes tem razão, falta a opção “Vá a Merda” na urna.

Mulheres candidatas não atingem o percentual de vagas exigidas por lei

Segundo reportagem da Folha online, em nenhum Estado brasileiro as mulheres que tentam chegar às prefeituras e as câmaras representam, respectivamente, os 30% das candidaturas estipuladas por lei.
Essa informação foi adquirida, através de um levantamento feito pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, da Presidência da República, com base em dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O estado do Amapá é o que possui o maior percentual de mulheres concorrendo às prefeituras: 17%.Para vagas nas Câmaras, Mato Grosso do Sul lidera: 25%.

Isso demonstra que apesar da lei 9.504, de 1997, determinar que partidos ou coligações reservem 30% das candidaturas a um dos sexos, a norma quase nunca é cumprida.

Atualmente, as mulheres são 10% dos candidatos às prefeituras. Em 2004, eram 9,5%. Para o Legislativo, o índice (22%) se manteve. Para tentar reverter o quadro, a secretaria fez a campanha “Mais mulheres no poder, eu assumo esse compromisso!”.

Vale ressaltar, que nas capitais, poucos partidos conseguiram cumprir os 30%. O PC do B foi o que mais chegou perto ao atingir a marca em 12 cidades (menos da metade).

Diretamente do país bronzeado, as eleições cariocas

Passou as Olimpíadas, passou o bronze e o bronzeado. A vara sumiu, os EUA ganharam, o Dunga vai rodar. Infelizmente não conseguimos as sonhadas dez medalhas de bronze, mas oito está de bom tamanho. Nosso segundo melhor desempenho bronzeado, perdendo só para Atenas, em 2004.

Bom, depois dessa overdose de bronze, e um pouco de ouro, afinal, três medalhas de ouro não é pra qualquer um. Só pro Michael Phelps, que, se fosse um país, estaria em 10º lugar no quadro de medalhas, na frente de países como França, Espanha, Canadá e, claro, o Brasil.

Mas, agora é hora de olhar pra frente. Porque 4 anos é muito tempo, segundo a campanha publicitária do Tribunal Superior Eleitoral. O Blog Internacional irá cobrir as eleições do Rio de Janeiro. Então, já vamos com o resultado das primeiras pesquisas de intenção de voto, feita pelo instituto Datafolha.

Na liderança está o candidato e bispo da Igreja Universal, Marcelo Crivella (PRB), continua na liderança apesar de ter caído 6%. Agora está com 20% das preferência. O candidato Eduardo Paes, do PMBD, cresceu 4 pontos percentuais desde a última pesquisa, no mês passado. Agora Paes está com 17%. Apesar do crescimento, Eduardo Paes diz que não fica eufórico com o segundo lugar e diz vai trabalhar para ganhar a eleição com “99,9% dos votos”. Jandira Feghali, do PC do B, caiu um ponto percentual, e agora fica com 15%

Mais atrás, no “segundo pelotão”, Fernando Gabeira (PV) está com 8%. Solange Amaral (DEM) está com 7%. Chico Alencar (PSOL) está com 4%. Alessandro Molon (PT) passou de 2% para 4%.

Pesquisas para eleições municipais pelo Brasil

Em 2008 em todos os municípios brasileiros haverão votações para escolha do prefeito e dos vereadores. Veja a pesquisa do Datafolha nas principais capitais do país:

Em São Paulo (Capital), a eleição está entre Geraldo Alckmin (PSDB) e Marta Suplicy (PT). Ambos estão no patamar de 25%. O atual prefeito, Gilberto Kassab (DEM), está no patamar de 15%.

No Rio de Janeiro (Capital), o apresentador e vereador Wagner Montes (PDT) o pastor e deputado Marcelo Crivella (PRD)  e a apoiada de César Maia, Denise Frossard (PPS)  estão no patamar dos 15%. No segundo patamar, entre 9% e 6%, estão a apoiada do Lula, Jandira Feghali (PCdoB) , Chico Alencar (P-SOL) e outra apoiada pelo César Mara, Solange Amaral (DEM). Margem de erro: 4 pontos, já que a amostragem foi de apenas 640 eleitores.

Em Belo Horizonte a eleição depende da decisão do ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias (PT). Se Ananias se canditadar, a disputa se torna intensa com o PSDB, entre Eduardo Azeredo e João Leite. Sem ele, os dois candidatos do PSDB ficam bem na frente.

Em Porto Alegre, o prefeito José Fogaça (PMDB)  está no patamar dos 20% e os demais concorrentes nos 15%. Todos os outros empatados: Olivio Dutra (PT), Onyx Lorenzoni (DEM) Manuela D’Ávila (PCdoB) e Luciana Genro (P-SOL).

Em Fortaleza, o ex-deputado Morani Torgan (DEM), desponta com 30%. A prefeita Luiziane Lins (PT) e o ex-governador Lucio Alcantara (PR-) estão no patamar dos 20%. Patrícia Saboya (PDT) está com cerca de 10%.

No Recife, Mendonça Filho (DEM) e Carlos Eduardo Cadoca (PSC) empatam no patamar dos 20%. Humberto Costa (PT) fica com cerca de 10%.

Em Florianópolis, Angela Amin (PP), está com cerca de 30%. Cesar Souza Jr (DEM) e Dario Bergher (PMDB) ficam com 15%.

Em Curitiba, o prefeito Beto Richa (PSDB) está liderando isolado com 60%.

Em Salvador: Raimundo Varela (PRB), o atual prefeito João Henrique Carneiro (PMDB), e Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM) estão entre 15% e 20%. Mais atrás, no entorno de 10%, os ex-prefeitos Imbassahy (PSDB) e Lidice da Mata (PSB).