Troféu Rubens Furlan #002

tag-trofeu

Confira os premiados da última semana!

Por Luan Borges

A semana começa e o Troféu Rubens Furlan destaca aqueles babacas que foram notícia na semana passada. Tudo bem que nem é tão difícil assim saber os vencedores, mas esteve difícil de escolher, porque foram muitos babacas.

Troféu Rubens Furlan de Política

Ele pode até ser um dos políticos mais influentes do mundo, o presidente mais popular da história do Brasil e várias outras coisas, mas usar a máquina pública para enfiar goela abaixo a canditada Dilma Rouseff é uma atitude, no mínimo, babaca. Lula, mais uma vez, mostra seu desapreço pela legislação brasileira. Lulinha paz e amor, a campanha já começou, mas usar propagandas da Petrobrás pra destacar a Dilma é feio, muito feio.

Troféu Rubens Furlan de Televisão

A contratação de Gugu pode até ser uma das maiores da TV brasileira dos últimos anos, e ter o segundo maior salário da TV, recebendo R$ 3 milhões por mês – o primeiro é de Faustão, R$ 5,5 mi –, mas o Ibope não reflete isso. Muito pelo contrário. Ontem, dia 16, Gugu chegou a marcar 4 pontos em pleno horário nobre e empatar com, pasmem, o Mesa Redonda da TV Gazeta! A Record contratou Gugu para liderar no horário, já que no SBT ele dava picos de até 20 pontos. Porém, o Pânico e seu ex-patrão, Silvio, continuam pisando em Gugu, mostrando que dinheiro não é tudo.

Troféu Rubens Furlan de Esporte

Essa é óbvia! Dunga! O anão da Branca de Neve surpreendeu a população brasileira não chamando Neymar e Ganso! Com desculpas mais feias do que suas camisas, Dunga provou a incompetência como técnico e chamou o excelente Grafite! Patcha que lá pareo! Pelo menos o povo não vai ficar falando tanto da Copa.

Troféu Rubens Furlan de Internet

O troféu da semana vai pra uma parte do Twitter, que numa atitude preconceituosa, jogou o perfil @vouconfessarque do luxo ao lixo, só porque um dos Colírios da Capricho mantinha no twitter. Puro preconceito que se gerou por trás dos Colírios, a máxima de que “toda pessoa bonita é burra”. Mentira e puro preconceito. Se fosse um nerd gordo, dúvido que haveria tanto escândalo. É, Twitter também é preconceito.

Rosane Collor diz ter medo de morrer

Ex-primeira dama diz que foi ameaçada de morte durante campanha de Collor em 2006. “Sou um arquivo vivo”.

Por Luan Borges
Ponto Notícia

O ano era 1990, o dia era 15 de março. Fernando Collor de Mello assumiu a presidência do Brasil com 40 anos, o mais jovem presidente do país. Ao seu lado, Rosane Malta Collor de Mello, sua esposa, com apenas 26 anos. De 1990 até hoje, já se passou quase 20 anos, e muita coisa mudou. Rosane não é mais casada com Fernando Collor, e o presidente deposto hoje é senador da república por Alagoas.

Rosane Collor hoje

Rosane Malta contou em entrevista ao jornal “Extra”, do Rio de Janeiro, que em setembro de 2006, com o casamento entre Fernando e Rosane já desfeito, a ex-primeira dama da República recebe um telefonema em sua mansão no bairro de Murilópolis, em Maceió. Uma voz ameaçava de morte a ex-esposa de Collor. Nessa mesma época, Collor esaiava seu retorno à política desde a derrota à Prefeitura de São Paulo, em 1998.

Rosane ia lançar um CD gospel de Cecília de Arapiraca em Alagoas. Segundo Rosane, a voz dizia que “se fosse ao evento, eu não iria voltar”, relembra ela, hoje com 45 anos. Na época, Rosane havia confirmado as declarações da ex-mãe de santo Cecília de Arapiraca que o ex-presidente participava de rituais macabros. Segundo Rosane, os rituais eram “para abrir caminho”.

“Havia rituais la na Casa da Dinda. Era pra abrir caminho, aquelas coisas. As pessoas mandavam coisas ruins pra ele e ele mandava de volta. Ele acreditava nisso”.

Rosane também confessa que tem medo de morrer.

“Se disser que não tenho medo de morrer, estaria mentindo. Acredito que Deus me ama e não vai permitir que nada de mal me aconteça, mas que sou um arquivo vivo, eu sou. Presenciei fatos que o Fernando não gostaria que viessem à tona”.

Rosane conta que Collor sumiu de casa sem avisar. “Fiquei sabendo através dos jornais”, conta Rosane sobre o relacionamento de Collor com a atual esposa, Caroline Medeiros. “Eu ainda estava casada com ele, nem sabia que já estava separada. De acordo com Rosane, ela e Collor não se falam há mais de 4 anos.

Desde a separação, Rosane vive mais humildemente. Quando se casou, assinou um pacto abrindo mão de todos os bens de Fernando, incluindo as empresas da Organização Arnon de Mello – grupo que inclui uma TV, um jornal, um site de notícias, uma gráfica e quatro rádios. Atualmente, Rosane recebe uma pensão de R$13 mil de Collor. O senador ainda paga o salário de quatro funcionários da mansão de Rosane. As viagens para Courchevel, nos Alpes franceses, foram substituídas por viagens ao redor de Maceió, e ela dirige seu próprio carro, um Fiesta 2007. A vida de esposa de marajá foi deixada de lado.

Rosane acusa Collor de ter “confiscado”, ao melhor estilo “Plano Collor”, suas joias e malas da grife “Louis Vuitton” que tinham as iniciais do casal. “Achei tão pequeno, nunca achei que fosse terminar assim”, confessa Rosane. Para ela, a separação foi pior que o impeachment:

“No impeachment, nós perdemos um cargo. Mas, agora, foi a minha vida. Estava debilitada, frágil, tinha perdido a minha mãe (em maio de 2004). Imagina você chegar em casa e não encontrar mais o seu marido? Em quatro anos e meio, nunca ter falado com ele ao telefone, nunca ter tido um contato com ele? Então, isso é o que mais dói. Essa interrogação, porque tudo isso? Ninguém é obrigado a viver com ninguém. As pessoas têm o direito de ser felizes, mas elas têm de ser leias, íntegras”.

Rosane também diz ter se decepcionado com Collor como homem:

“Eu não me decepcionei com o Collor, eu me decepcionei com o Fernando, meu marido, com a pessoa com quem vivi durante 22 anos. Essa pessoa que está aí hoje, eu não conheço. Ou, talvez, como meu analista falou, acreditei que ele pudesse fazer com as outras pessoas, mas que seria incapaz de fazer comigo, por tudo que passamos. Então, me decepcionei com o homem. E muito”.

Além dos fatos atuais, na entrevista Rosane abre o jogo sobre algumas questões do passado, como a relação entre Renan Calheiros e Collor, a briga entre Pedro e Fernando, sua inimizade com Thereza Collor e o escândalo na LBA.

‘Fui inocentada’
“Acho que cometi um erro quando assumi a LBA (Legião Brasileira de Assistência, extinta no governo de FHC). Eu poderia ter colocado uma pessoa pra fazer tudo aquilo que eu queria, só que eu não assinaria nada. Então, eu não teria tido problemas. Tive problemas, mas graças a Deus fui inocentada. Até o meu salário como presidente da LBA eu doava para entidades carentes. E a prova é que não tenho nada no meu nome.”

‘Sentada ao lado da princesa Diana’
“Sempre procurei e pedi a Deus que o poder não subisse à minha cabeça, porque ele é efêmero. Imagina uma menina de 26 anos, primeira-dama do país, sentada ao lado da princesa Diana… Então, essas fazem com que você se deslumbre um pouco e as facilidades também. O que você sonha, está ali. Num estalar de dedos, tem tudo. Você chega nos melhores hotéis, com tudo à disposição, é uma mordomia muito grande.”

‘Idealismo não existe’
“O Renan apoiou o Fernando para a Presidência. Depois romperam e, agora, estão juntos. Aliás, todos estão juntos. Na política, não me surpreendo com mais nada, idealismo não existe.”

‘Foi um pesadelo aquela noite’
“O dia da votação do impeachment (29 de setembro de 1992) foi o pior, antes da renúncia. Foi um pesadelo aquela noite. Ele me ligava de minuto em minuto, mais um voto contra, mais um voto contra… E de pessoas que haviam estado com a gente na véspera e diziam estar a favor dele.”

‘Não me dou com ela’
“A Thereza Collor criou essa história de que vez de eu falar ‘estola de pele’, falei ‘pistola’. Isso é mentira. Não me dou com ela. Ela me fez muito mal. Nunca tivemos relação boa, mas me dou bem com os filhos dela… Ela não permitiu que Fernando e Pedro se vissem quando o marido estava morrendo.”

‘Venha conversar comigo’
“Eu e Fernando nunca mais trocamos uma palavra. Eu o vi só uma vez, aqui em Maceió, mas não nos falamos. Fiquei em estado de choque (…) Fernando, por favor, foram 22 anos que a gente viveu juntos, faço um apelo: venha conversar comigo.”

‘Madame está gastando muito’
“Tínhamos relacionamento, sim (com PC Farias, tesoureiro de Collor na campanha de 89). Nunca viajamos juntos, mas fomos ao Sambódromo, ele dançou tango lá. Lá na Casa da Dinda, tomava café da manhã. Mas nunca soube que era ele quem pagava as contas. Tanto que tomei um susto quando ele disse: ‘Madame está gastando muito’. Achava até que Fernando é quem depositava (dinheiro), que a secretária dele, Ana Acioli, era quem colocava na minha conta. De onde vinha (o dinheiro) não ia perguntar, nunca perguntei.”

Procurado ao tomar posse na Academia Alagoana de Letras, no dia 23 de outubro, Fernando Collor não quis falar sobre as declarações de Rosane ou qualquer outro assunto.

José Alencar passa por cirurgia em São Paulo

politica

Vice-presidente fez uma colostomia no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo

Por Luan Borges

O vice-presidente José Alencar passa por uma cirurgia no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. O procedimento começou na tarde desta sexta-feira, um dia depois do vice-presidente receber alta de uma outra cirurgia. José Alencar luta contra um câncer no abdômen há 12 anos. Essa já é a 15ª cirurgia de Alencar.

O vice-presidente, que tem 77 anos, passa por um colostomia, que é a retirada do reto e a instalação de uma sonda ligada a um saco no lado externo do corpo para recolher resíduos.

A cirurgia foi feita depois do reto ter sido fechado por causa dos tumores que não puderam ser retirados na última cirurgia. O vice-presidente sentiu cólicas durante a madrugada e voltou ao hospital na madrugada desta sexta. Ele chegou de ambulância e entrou no hospital numa maca, coberto.

Repórter do CQC é agredido por segurança de Sarney

politica

Danilo Gentili foi agredido enquanto tentava entrevistar presidente do Senado

Com informações do Congresso em Foco
Luan Borges

Danilo Gentilli é derrubado por capanga de Sarney

Danilo Gentilli é derrubado por capanga de Sarney. Foto: Agência Estado

O humorista e repórter do programa “CQC – Custe o Que Custar”, da TV Bandeirantes, Danilo Gentili, foi agredido enquanto tentava entrevistar o presidente do Senado e ex-presidente, José Sarney, acusado de empregar parentes através de atos secretos.

A confusão aconteceu durante a saída de Sarney da sessão plenária desta quarta-feira (1º), que foi encerrada mais cedo por causa da morte do deputado Dr. Pinotti (DEM-SP)

No caminho até a saída principal do Senado, o senador foi escoltado por seis seguranças, que evitaram que jornalistas e fotógrafos chegassem próximo a Sarney. Foi quando um deles agarrou Danilo o agarrou por trás e, com violência, jogou-o no chão.

“Eles me chutaram e me empurraram, e eu não fiz nada. Só perguntei”, afirmou Danilo. Quando perguntado se iria tomar alguma providência legal, Danilo respondeu, sem perder o bom humor: “Fazer piada. Acho legal fazer piada.”

Presidente Lula volta a criticar a seleção brasileira de futebol

O presidente Lula criticou novamente a seleção brasileira neste sábado, durante a inauguração de um hospital público em Duque de Caixas, na baixada fluminense. O evento, que contava com a presença ex-jogadores Roberto Dinamite e Jairzinho, chamou a atenção pelas críticas duras do presidente a seleção de futebou. Lula disse que o torcedor não fica bravo com uma derrota desde que veja seu time empenhado.

Segundo o site IG, o presidente  fez os seguintes comentários:

“O torcedor não fica nervoso se seu time perde e se ele vê o jogador suando a camisa… Por isso é que, quando tem um jogador que corre e que se mata, a torcida aplaude”, afirmou, segundo discurso divulgado à imprensa pelo Planalto.

“Agora, duro são aqueles que ficam o tempo inteiro esperando a bola chegar no seu pé e, quando perde a bola, acha que a responsabilidade é da defesa tirar a bolsa, e não dele”.

Essa não foi a primeira vez que a seleção brasileira de futebol recebe críticas do Presidente da República, em outra ocasião, ele havia dito que o jogador de futebol argentino Messi, mostrava mais garra que os jogadores da seleção verde e amarela.

Além dessas críticas, Lulas falou sobre o grande número de jogadores brasileiros que atuam em outros países e proferiu as seguintes palavras:

“Lamentavelmente, o Brasil não é mais o melhor futebol do mundo. Porque ainda somos o grande produtor de grandes jogadores, mas, se você quiser ver um jogo de times importantes, tem que ligar televisão –quem tem televisão a cabo– e ver o campeonato espanhol, o italiano, o inglês, que todos os atletas do mundo estão jogando lá”

“Eu, na verdade, não queria falar de futebol, mas como hoje é sábado, não é dia de conversa muito séria, estamos em frente a um hospital, a gente precisa ficar muito tranquilo para não ter um chilique e ser o primeiro a ser internado”.

O presidente ainda nesta visita ao Rio de Janeiro, elogiou o governador Sérgio Cabral e afirmou que o governador pode “passar para a história como o melhor governador” que o Estado do Rio de Janeiro já teve.

Além disso, garantiu mais uma vez que parte dos recursos obtidos com o petróleo da camada pré-sal será utilizada para resolver o problema da pobreza e da educação.

Mulheres candidatas não atingem o percentual de vagas exigidas por lei

Segundo reportagem da Folha online, em nenhum Estado brasileiro as mulheres que tentam chegar às prefeituras e as câmaras representam, respectivamente, os 30% das candidaturas estipuladas por lei.
Essa informação foi adquirida, através de um levantamento feito pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, da Presidência da República, com base em dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O estado do Amapá é o que possui o maior percentual de mulheres concorrendo às prefeituras: 17%.Para vagas nas Câmaras, Mato Grosso do Sul lidera: 25%.

Isso demonstra que apesar da lei 9.504, de 1997, determinar que partidos ou coligações reservem 30% das candidaturas a um dos sexos, a norma quase nunca é cumprida.

Atualmente, as mulheres são 10% dos candidatos às prefeituras. Em 2004, eram 9,5%. Para o Legislativo, o índice (22%) se manteve. Para tentar reverter o quadro, a secretaria fez a campanha “Mais mulheres no poder, eu assumo esse compromisso!”.

Vale ressaltar, que nas capitais, poucos partidos conseguiram cumprir os 30%. O PC do B foi o que mais chegou perto ao atingir a marca em 12 cidades (menos da metade).

POLÍTICA: E o cantor deixou de ser ministro

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, anunciou sua saída do governo nesta quarta-feira (30) em reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula aceitou o pedido de demissão. Ele deve nomear o secretário-executivo da pasta, Juca Ferreira, para suceder Gil, que deixou o ministério para se dedicar à carreira musical (confira aqui especial em áudio com músicas do compositor).

Mais cedo, antes de um almoço oficial com o presidente da Costa Rica, Oscar Sánchez, no Palácio do Itamaraty, Lula disse que “Gil teve uma recaída” ao voltar de uma turnê promovendo o novo disco. Segundo Lula, o “Brasil não pode prescindir do Gil só na política”, comentou. “Ele vai priorizar o que é importante [para ele].”

Essa não é a primeira vez que Gil pede para deixar a pasta para se dedicar apenas a sua carreira artística -a última delas em novembro de 2007, quando afirmou que deixaria o ministério este ano. Nas vezes anteriores, porém, o presidente convenceu Gil a ficar no cargo.

Gilberto Gil começou sua carreira política em 1989, quando se elegeu vereador em Salvador, pelo PMDB. Gil é um dos poucos remanescentes do primeiro ministério nomeado por Lula em 2003.