Repórter do CQC é agredido por segurança de Sarney

politica

Danilo Gentili foi agredido enquanto tentava entrevistar presidente do Senado

Com informações do Congresso em Foco
Luan Borges

Danilo Gentilli é derrubado por capanga de Sarney

Danilo Gentilli é derrubado por capanga de Sarney. Foto: Agência Estado

O humorista e repórter do programa “CQC – Custe o Que Custar”, da TV Bandeirantes, Danilo Gentili, foi agredido enquanto tentava entrevistar o presidente do Senado e ex-presidente, José Sarney, acusado de empregar parentes através de atos secretos.

A confusão aconteceu durante a saída de Sarney da sessão plenária desta quarta-feira (1º), que foi encerrada mais cedo por causa da morte do deputado Dr. Pinotti (DEM-SP)

No caminho até a saída principal do Senado, o senador foi escoltado por seis seguranças, que evitaram que jornalistas e fotógrafos chegassem próximo a Sarney. Foi quando um deles agarrou Danilo o agarrou por trás e, com violência, jogou-o no chão.

“Eles me chutaram e me empurraram, e eu não fiz nada. Só perguntei”, afirmou Danilo. Quando perguntado se iria tomar alguma providência legal, Danilo respondeu, sem perder o bom humor: “Fazer piada. Acho legal fazer piada.”

Eleições 2008: Eduardo Paes no Rio e Gilberto Kassab em São Paulo

Em São Paulo, Kassab vence com boa folga. Já no Rio, Paes fica com diferença apertada.

Por Luan Borges
Direto ao Ponto

DEM e PMDB comandam as duas principais capitais brasileiras. Em São Paulo, o prefeito Gilberto Kassab (DEM), que recebeu o apoio do governador José Serra (PSDB), venceu com bastante folga. Sua rival era a ex-prefeita Marta Suplicy (PT). Kassab recebeu 60,72% dos votos, enquanto Marta ficou com 39,28%. Houve 17,54% de abstenção. Votos em branco somaram 2,62%. Os votos em nulo somaram 5,03%.

Isso reforça o poder de José Serra dentro do PSDB. Depois da derrota de Geraldo Alckmin no 1º turno, e a furada de Aécio Neves, governador de Minas Gerais, que apostou tudo em Márcio Lacerda no 1º turno, mas só levou no segundo. Além do reforço do poder de Serra, a vitória de Kassab reafirma a histórica aliança entre PSDB e PFL, atual Democratas.

Já no Rio de Janeiro, a votação foi bem apertada. A diferença de votos foi de apenas 55.252 votos para Eduardo Paes. O candidato do PMDB venceu com 50,83% dos votos, enquanto Fernando Gabeira, do PV, ficou com apenas 49,17%. Houve 20,25% de abstenção, um número considerável alto. Votos em branco somaram 2,52%. Já os votos em nulos foram 6,10%.

Eduardo Paes teve sua candidatura baseada na Zona Oeste, a parte pobre da cidade, e tem como principais aliados o presidente Lula e o governador Sérgio Cabral. Eduardo Paes promete governar em conjunto com o Governo do Estado, coisa que não acontece há muito tempo no Rio de Janeiro. A eleição de Paes afirma o poder do PMDB no Rio de Janeiro, já que o Governo do Estado é governado por um peemedebista desde 1999, com Antony Garotinho. Essa eleição também marca o fim da hegemonia do prefeito César Maia, que governa a cidade desde 1993.

César Maia não conseguiu emplacar sua candidata, Solange Amaral, no 1º turno, que recebeu apenas 6% dos votos. Sua imagem também prejudou a campanha de Fernando Gabeira, já que sua candidatura era apoiada pelo Democratas, partido do ainda prefeito César Maia.

Em Belo Horizonte, o candidato Márcio Lacerta, fruto de uma aliança entre o governador Aécio Neves e o atual prefeito Fernando Pimentel (PT), venceu com 59,12%. Em Salvador, João Henrique (PMDB) venceu com 58,46%. Em Porto Alegre, Fogaça (PMDB) foi reeleito com 58,95%. Em Florianópolis, Dário Benger também se reelegeu com 57,88%

Eleições 2008: Marta se engana e chama Datena de ‘Faustão’

Gordo, apresentador de televisão, e, as vezes, uma mala sem alça. Características que José Luis Datena, apresentador do “Brasil Urgente”, da Band, e Fausto Silva, o Faustão, apresentador do “Domingão do Faustão”, da Globo, tem em comum. Tamanha semelhança acabou confundindo a cabeça de Marta Suplicy, candidata à Prefeitura de São Paulo. Durante uma entrevista dada ao Datena, ao vivo, Marta deslizou e confundiu o nome dos gordos: chamou Datena de Faustão. Veja o vídeo:

Não, não falarei que ela se confundiu porque é loira. Essa piada é muito velha. Talvez seja o botox.

Cartão Bomba

Recentemente vimos na imprensa o caso dos cartões corporativos que são usados por seguranças, assessores, ministros e a Presidência da República. Agora os ministros são aconselhados a não ter cartões corporativos em seus nomes, apenas os assessores, talvez para que os ministros não sejam envolvivos em novos escândalos.

Bem provável que só quem sofra as conseqüencias sejam os seguranças que compraram as esterias de ginásticas e não o reitor na Universidade de Brasília, que gastou dinheiro com hotéis de luxo e restaurantes.

Os governistas do Senado pretendem virar a mesa, e investigar o uso do cartão corporativo no Governo FHC. A oposição diz que não importa. E não importa mesmo, desde que não seja limitado apenas no Governo FHC, mas também no Governo Lula e governos anteriores.

O pior é que o governo mandou tirar as informações do “Portal da Transparência”. Ou seja, o Protal da Transparência não é mais tão transparente assim.

A imagem acima parece ser uma premonição desse escândalo dos Cartões Corporativos. Essa montagem foi feita na mesma época do mega-escândalo do Mensalão, mas não deixa de ser atual.