Troféu Rubens Furlan #001

Troféu Rubens Furlan premiará os mais babacas da semana

Por Luan Borges

A partir desta semana, o Ponto Notícia // Direto ao Ponto irá premiar os mais babacas da semana através do Troféu Rubens Furlan. Antes de mais nada, vamos explicar por que o nome do prêmio é “Troféu Rubens Furlan”.

Rubens Furlan é um influente político brasileiro, atualmente prefeito da cidade de Barueri, interior paulista, filiado ao PMDB. Em março de 2010, ficou conhecido nacionalmente depois do caso da TV LCD, uma denúncia feita pelo programa humor-jornalístico CQC – Custe o Que Custar -, da Band. Furlan tentou censurar a matéria, que mostra o desvio de uma TV de LCD doada para uma escola pública do município, para a casa de uma diretora. Uma semana após a censura, Furlan deu uma entrevista ao repórter Danilo Gentili, em que chamou o CQC e seu comandante, Marcelo Tas, de babacas.

Explicada a origem do nome, vamos aos prêmios.

Troféu Rubens Furlan de Política

Eduardo Paes ganha Troféu Rubens Furlan de política

Eduardo Paes ganha Troféu Rubens Furlan de política

O ilustre vencedor é o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB)! Essa semana, Paes anunciou o fechamento de uma das principais avenidas do centro do Rio, a Rio Branco. Nela, transitam 115 linhas de ônibus e mais de 1800 coletivos. A via é um importante corredor com diversos escritórios e sedes de empresas. A ideia é transformar a avenida em um parque urbano.

Troféu Rubens Furlan de TV

Silvio é mestre, mas não escapou do Troféu Rubens Furlan

Silvio é mestre, mas não escapou do Troféu Rubens Furlan

Na área da TV, o Troféu Rubens Furlan vai para Silvio Santos, que desativou a linha de pegadinhas porque a Patrícia Kogut reclamou. Profissionais folclóricos da emissora, como Ivo Holanda, foram demitidos sem nenhum rodeio. Tudo porque uma outra babaca, que acha que entende de TV, julgava-as sem graça. As Câmeras Escondidas eram responsáveis por ótimos picos do programa.

Troféu Rubens Furlan de Esporte

Empate de peso!

Empate de peso!

Houve um empate de peso! Ronaldo e Adriano dividem o Troféu Rubens Furlan por suas perfomances nos dois jogos entre Flamengo e Corínthias pela Libertadores. Adriano “Churrasco” – muito bem apelidado pelo RockGol da MTV-, e “Ronalducho” seriam o grande destaque do jogo, mas acabaram por ficar mais tempo como coadjuvantes. A “super dupla de peso” não atendeu aos anseios da mídia e da torcida e mostraram seus reais peso: Ronaldo, o peso da pança; Adriano, o peso do chifre.

Troféu Rubens Furlan da Internet

Que tal uma mentirinha bem fresca?

Que tal uma mentirinha bem fresca?

O Troféu Rubens Furlan vai para um blog que, se esse prêmio fosse criado antes, já seria campeão de troféus, o RD1 Audiência! Depois de muitas notícias copiadas, sem fontes e até inventadas, hoje o RD1 se superou: publicou uma nota sobre a contratação do apresentador Gilberto Barros pela TV Gazeta e colocou o colunista da Jovem Pan, José Armando Vanucci, como “colaborador”. A notícia, obviamente, é falsa, e desmentida pelo próprio Vanucci, que disse que não colabora com nenhum blog ou site que não seja os da Jovem Pan. Furlan neles!

E fica por aqui mais uma premiação do Troféu Rubens Furlan. Na próxima sexta, sairão os novos ganhadores do Troféu. Você também pode fazer indicações para o Troféu Rubens Furlan através do nosso Twitter: @Ponto_Noticia

Anúncios

Globo, Record e Band dividirão Olimpíada de 2016

midia

Na briga entre Globo e Record, as duas levaram

Por Luan Borges

A guerra entre a Rede Globo e a Rede Record pelos Jogos Olímpicos de 2016 acabou empatada: as duas emissoras levaram os direitos de transmissão do evento, que ainda não tem a sede definida. Além das duas emissoras, a Bandeirantes também transmitirá o evento através de uma parceria com a Globo.

A guerra pelos direitos de transmissão se deu devido a Record ter a exclusividade na transmissão dos Jogos Olímpicos de 2012, que ocorrerão em Londres, e pelas grandes chances do Rio de Janeiro sediar o evento. Além do Rio, as cidades concorrentes são Tóquio, Madri e Chigado.

A proposta da Globo surpreendeu o Comitê Olímpico Internacional (COI) pelo fato de não ser oferecido apenas dinheiro, mas também por permitir que o evento seja negociado e transmitido por outras emissoras, enquanto a proposta da Record previa transmissão exclusiva e garantia da transmissão de todos os jogos.

A exemplo dos Jogos Panamerianos Rio 2007, a divisão dos direitos de transmissão mostra que a campanha da cidade para sediar o evento de 2016 pode ser bem-sucedida.

RIO: Sindicato dos Ferroviários anuncia fim da greve

A greve, que já durava quatro dias, foi encerrada na tarde desta quinta-feira

Por Luan Borges
Direto ao Ponto

Os funcionários da SuperVia, concessionária de trens do Rio, decidiram na tarde desta terça (16) acabar com a greve que já durava quatro dias, segundo o advogado do sindicato, Paulo Roberto Moreira Mendes.

Segundo o advogado, os funcionários voltam aos postos de trabalho ainda nesta tarde. Ele explicou também que os termos do acordo entre o sindicato e a SuperVia devem ser homologados no Tribunal Regional do Trabalho (TRT).

Antes da audiência de conciliação no TRT na tarde desta quinta, o presidente do Sindicato dos Ferroviários, Walmir Lemos, informou as reinvidicações dos sindicalistas.

Eles vão pedir a readmissão de sete funcionários demitidos; uma comissão para acompanhar o inquérito administrativo sobre outros demitidos por indisciplina; uma segunda comissão para acompanhar as denúncias de agressão aos passageiros na quarta-feira; e nenhuma retaliação aos funcionários que estavam em greve.

A SuperVia informa que ainda não foi comunicada oficialmente sobre o fim da greve. Por isso, mantém o esquema de especial de funcionamento dos trens. Só depois do comunicado oficial, a concessionária poderá avaliar se há ou não possibilidade de os trens em todos os ramais e nos horários normal ainda nesta quinta-feira (16).

Plano Doxiadis: a melhor obra do Rio que nunca saiu do papel

O plano tinha o projeto de unificar o Rio através de linhas expressas. Das 5 linhas, só duas foram construídas

Por Luan Borges
Direto ao Ponto // Inovando e Informando

Os engarrafamentos são os maiores problemas das grandes metrópoles

Os engarrafamentos são os maiores problemas das grandes metrópoles

Um dos maiores vilões da vida agitada do Século XXI é, sem dúvida, o engarrafamento. Ficar preso num engarrafamento é uma das maiores causas de estresse. As maiores metrópoles do mundo sofrem com esse problema. No Brasil, a cidade de São Paulo é a recordista em engarrafamentos. Já a cidade do Rio de Janeiro encontrou uma solução parcial para o problema: a Linha Vermelha e a Linha Amarela. Essas duas vias fazia parte de um plano de urbanização, que nunca foi concluído.

Em 1960, ainda no antigo Estado da Guanabara, o então governador Carlos Lacerda encomentou ao arquiteto grego Constantino Doxiádis um projeto de urbanização do Rio de Janeiro. Doxiádis, então, propôs a construção de 5 grandes linhas que cortariam a cidade, interligando diversos pontos.

Linha Vermelha (ligando São Cristóvão à cidade de São João do Meriti)

Linha Amarela (liganda a Barra da Tijuca à Ilha do Fundão)

Linha Verde (ligando a Via Dutra à Gávea)

Linha Marrom (ligando o Centro à Santa Cruz)

Linha Azul (ligando a Zona Sul à Barra da Tijuca)

O arquiteto Constantino Doxiadis

O arquiteto Constantino Doxiádis

O projeto, chamado de Plano Doxiadis, mas também conhecido como “Plano Policromático”, foi concluído em 1963, porém só foi publicado em 1965, no final do governo de Carlos Lacerda. O sucessor, o governador Raphael de Almeida Guimarães, não colocou o projeto em prática. Em 1975, o Estado da Guanabara se fundiu com o Estado do Rio de Janeiro, e o Plano Doxiadis continuava no papel.

O cenário só foi revertido em 1992, 27 anos depois, quando o então governador Leonel Brizola começou a construção da primeira parte da Linha Vermelha: um trecho de 7 km entre São Cristóvão e a Ilha do Fundão. Em 1994, o segundo trecho, de 14km, foi inaugurado, ligando a Ilha do Fundão à Rodovia Presidente Dutra, na altura da cidade de São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

Em 1995, o então prefeito César Maia iniciou a construção da segunda parte do Plano Doxiadis, com a construção da Linha Amarela em 3 lotes:

Lote 1 – Ligando a av. Ayrton Senna, na Barra, à av. Geremário Dantas, em Jacarepaguá

Lote 2 – Ligando a av. Geremário Dantas, à Rua Pernambuco, no Encantado

Lote 3 – Ligando a Rua Pernambuco à av. Novo Rio, em Bonssucesso

A Linha Verde começou a ser construída, com a av. Pastor Luther King Jr. (antiga av. Automóvel Clube) e o Túnel Noel Rosa, porém não passou disso.

A Linha Amarela só foi executada 30 anos depois

Tanto a Linha Vermelha quanto a Linha Amarela são vias importantíssimas para a cidade do Rio de Janeiro. Ambas as linhas desafogaram o trânsito, diminuíram o tempo de viagem entre pontos extremos do Rio, e ajudaram na urbanização da cidade.

Apesar disso, a cidade do Rio tem deficiência principalmente em ligação à zona oeste com o centro e a zona sul. Há somente uma via de ligação, a problemática Av. Brasil. Qualquer problema que haja nessa via, seja uma chuva, um carro quebrado ou simplesmente excesso de veículos, congestiona completamente a linha, e um trajeto que poderia ser feito em 30 minutos, acaba durando mais de duas horas.

Já a Linha Azul, ligando a Zona Sul à Barra da Tijuca, começo da Zona Oeste, facilitaria a ligação da Zona Oeste à Zona Sul, um trajeto demorado e complicado. Para ir da Zona Oeste à Zona Sul, é necessário fazer um grande e demorado tour pela cidade.

Com a construção da Linha Marrom, ligando o Centro à Santa Cruz, cortando toda a zona oeste, iria redistribuir o número de veículos trafegando na Av. Brasil, agilizando o trajeto e otimizando o tempo do trafegante.

A Av. Brasil constantemente está engarrafada

Além da agilização do trânsito na cidade, a conclusão do Projeto Doxiadis geraria vários empregos. Durante a construção da Linha Amarela, foram gerados mais de 5 mil empregos diretos, e mais de 15 mil indiretos.

A construção da Linha Amarela foi mais barata que a polêmica construção da Cidade da Música, que custou mais de R$ 500 milhões e foi inaugurada ainda incompleta. Sabemos que um povo não vive sem cultura, mas como o povo vai ter acesso à cultura, se não há estradas até ela? Fica a dica…

Márcio Garcia e Juliana Paes entram em clima natalino e fazem boa ação

De Lukas Oliveira

1304656babado_juliana_paes_e_marcio_garcia__1gente___fotos_321_481No último domingo (21/12), segundo vários sites de celebridades divulgaram os atores Márcio Garcia e Juliana Paes utlizaram de suas respectivas imagens para fazer o bem e entrar de fato no clima natalino.No qual é proposto fazer caridade e se doar ao próximo.

Os atores apadrinharam a camapanha “Natal sem fome” e passaram pela favela da Rocinha no Rio de janeiro distribuindo brinquedos para as crianças da comunidade.Um gesto que vai além de uma promoção da imagem dos mesmos até porque nenhum dos dois precisam disso, e estimula a todos para que possa trazer a tona um sorriso ao rosto de uma criança,ou de um idoso dar esperança a um desamparado.

Desta maneira, porque não aproveitamos esse final de ano para fazermos a diferença na vida de alguém desconhecido mesmo que seja apenas por um instante.

Esse texto não tem a intenção de saber a vida dos artistas em questão,mais de convocar a todos para que realizem bons atos com o próximo.E aproveito que esse blog é bastante divulgado e peço a participação de todos comentando e deixando mensagem de paz a todos e contando qual ação boa irá fazer ou já fez para um semelhante.

Rio de Janeiro: Chuva deixa Defesa Civil em estado de atenção

Forte chuva atinge Rio de Janeiro, deixa ruas alagadas e deixa Defesa Civil em alerta

Por Luan Borges
Direto ao Ponto

Uma forte chuva repentina atingiu o Rio de Janeiro nas últimas horas, deixando o trânsito lento e a Defesa Civil em estado de alerta, com profissionais de plantão em 24 horas. Segundo o telejornal RJ Record, o pior da chuva já passou. Veja as condições do trânsito e a previsão do tempo para essa semana:

Continuar lendo

Eleições 2008: Eduardo Paes no Rio e Gilberto Kassab em São Paulo

Em São Paulo, Kassab vence com boa folga. Já no Rio, Paes fica com diferença apertada.

Por Luan Borges
Direto ao Ponto

DEM e PMDB comandam as duas principais capitais brasileiras. Em São Paulo, o prefeito Gilberto Kassab (DEM), que recebeu o apoio do governador José Serra (PSDB), venceu com bastante folga. Sua rival era a ex-prefeita Marta Suplicy (PT). Kassab recebeu 60,72% dos votos, enquanto Marta ficou com 39,28%. Houve 17,54% de abstenção. Votos em branco somaram 2,62%. Os votos em nulo somaram 5,03%.

Isso reforça o poder de José Serra dentro do PSDB. Depois da derrota de Geraldo Alckmin no 1º turno, e a furada de Aécio Neves, governador de Minas Gerais, que apostou tudo em Márcio Lacerda no 1º turno, mas só levou no segundo. Além do reforço do poder de Serra, a vitória de Kassab reafirma a histórica aliança entre PSDB e PFL, atual Democratas.

Já no Rio de Janeiro, a votação foi bem apertada. A diferença de votos foi de apenas 55.252 votos para Eduardo Paes. O candidato do PMDB venceu com 50,83% dos votos, enquanto Fernando Gabeira, do PV, ficou com apenas 49,17%. Houve 20,25% de abstenção, um número considerável alto. Votos em branco somaram 2,52%. Já os votos em nulos foram 6,10%.

Eduardo Paes teve sua candidatura baseada na Zona Oeste, a parte pobre da cidade, e tem como principais aliados o presidente Lula e o governador Sérgio Cabral. Eduardo Paes promete governar em conjunto com o Governo do Estado, coisa que não acontece há muito tempo no Rio de Janeiro. A eleição de Paes afirma o poder do PMDB no Rio de Janeiro, já que o Governo do Estado é governado por um peemedebista desde 1999, com Antony Garotinho. Essa eleição também marca o fim da hegemonia do prefeito César Maia, que governa a cidade desde 1993.

César Maia não conseguiu emplacar sua candidata, Solange Amaral, no 1º turno, que recebeu apenas 6% dos votos. Sua imagem também prejudou a campanha de Fernando Gabeira, já que sua candidatura era apoiada pelo Democratas, partido do ainda prefeito César Maia.

Em Belo Horizonte, o candidato Márcio Lacerta, fruto de uma aliança entre o governador Aécio Neves e o atual prefeito Fernando Pimentel (PT), venceu com 59,12%. Em Salvador, João Henrique (PMDB) venceu com 58,46%. Em Porto Alegre, Fogaça (PMDB) foi reeleito com 58,95%. Em Florianópolis, Dário Benger também se reelegeu com 57,88%