Rio de Janeiro: Chuva deixa Defesa Civil em estado de atenção

Forte chuva atinge Rio de Janeiro, deixa ruas alagadas e deixa Defesa Civil em alerta

Por Luan Borges
Direto ao Ponto

Uma forte chuva repentina atingiu o Rio de Janeiro nas últimas horas, deixando o trânsito lento e a Defesa Civil em estado de alerta, com profissionais de plantão em 24 horas. Segundo o telejornal RJ Record, o pior da chuva já passou. Veja as condições do trânsito e a previsão do tempo para essa semana:

Continuar lendo

Eleições 2008: Eduardo Paes no Rio e Gilberto Kassab em São Paulo

Em São Paulo, Kassab vence com boa folga. Já no Rio, Paes fica com diferença apertada.

Por Luan Borges
Direto ao Ponto

DEM e PMDB comandam as duas principais capitais brasileiras. Em São Paulo, o prefeito Gilberto Kassab (DEM), que recebeu o apoio do governador José Serra (PSDB), venceu com bastante folga. Sua rival era a ex-prefeita Marta Suplicy (PT). Kassab recebeu 60,72% dos votos, enquanto Marta ficou com 39,28%. Houve 17,54% de abstenção. Votos em branco somaram 2,62%. Os votos em nulo somaram 5,03%.

Isso reforça o poder de José Serra dentro do PSDB. Depois da derrota de Geraldo Alckmin no 1º turno, e a furada de Aécio Neves, governador de Minas Gerais, que apostou tudo em Márcio Lacerda no 1º turno, mas só levou no segundo. Além do reforço do poder de Serra, a vitória de Kassab reafirma a histórica aliança entre PSDB e PFL, atual Democratas.

Já no Rio de Janeiro, a votação foi bem apertada. A diferença de votos foi de apenas 55.252 votos para Eduardo Paes. O candidato do PMDB venceu com 50,83% dos votos, enquanto Fernando Gabeira, do PV, ficou com apenas 49,17%. Houve 20,25% de abstenção, um número considerável alto. Votos em branco somaram 2,52%. Já os votos em nulos foram 6,10%.

Eduardo Paes teve sua candidatura baseada na Zona Oeste, a parte pobre da cidade, e tem como principais aliados o presidente Lula e o governador Sérgio Cabral. Eduardo Paes promete governar em conjunto com o Governo do Estado, coisa que não acontece há muito tempo no Rio de Janeiro. A eleição de Paes afirma o poder do PMDB no Rio de Janeiro, já que o Governo do Estado é governado por um peemedebista desde 1999, com Antony Garotinho. Essa eleição também marca o fim da hegemonia do prefeito César Maia, que governa a cidade desde 1993.

César Maia não conseguiu emplacar sua candidata, Solange Amaral, no 1º turno, que recebeu apenas 6% dos votos. Sua imagem também prejudou a campanha de Fernando Gabeira, já que sua candidatura era apoiada pelo Democratas, partido do ainda prefeito César Maia.

Em Belo Horizonte, o candidato Márcio Lacerta, fruto de uma aliança entre o governador Aécio Neves e o atual prefeito Fernando Pimentel (PT), venceu com 59,12%. Em Salvador, João Henrique (PMDB) venceu com 58,46%. Em Porto Alegre, Fogaça (PMDB) foi reeleito com 58,95%. Em Florianópolis, Dário Benger também se reelegeu com 57,88%

Eleições 2008: Paes diz que Gabeira quer legalizar cafetões e é “despreparado”

‘Ele não tem propostas’, diz Eduardo Paes

ANDRÉ ZAHAR
colaboração para a Folha Online, no Rio

O candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro Eduardo Paes (PMDB) elevou nesta segunda-feira o tom dos ataques ao adversário Fernando Gabeira (PV). A seis dias do segundo turno, o peemedebista disse que a candidatura do verde é “oca”, “despreparada”, “oba-oba” e “sem proposta”. Citando o projeto de lei que regulamenta a profissão de prostituta, Paes disse ainda que Gabeira quer legalizar a profissão de cafetão.

As declarações foram feitas após encontro, no centro do Rio, com mulheres de PMDB, PC do B, PT e PSB –partidos que o apóiam no segundo turno. Paes disse que vai tentar enfatizar na reta final a suposta falta de projetos do verde para a cidade do Rio.

“Se algum de vocês [repórteres] puder me dizer algumas propostas do candidato Fernando Gabeira, eu pago um jantar no restaurante mais caro do Rio de Janeiro. Ele não tem propostas”, disparou Paes.

Paes ironizou a presença de artistas no programa eleitoral do adversário. “Faltam propostas ao candidato. É só oba-oba, musiquinha, jingle, muito artista na televisão. Infelizmente não vamos passar os próximos quatro anos ouvindo o Caetano Veloso cantando Cidade Maravilhosa. Adoraria que isso resolvesse os problemas da cidade, mas estamos elegendo o prefeito da cidade, não alguém que vai ficar nos entretendo nos próximos quatro anos”, disse.

O peemedebista afirmou que Gabeira “não sabe absolutamente nada” sobre o Rio e “não faz idéia do que vai fazer com a cidade”. Ele sustenta que o verde tem uma candidatura “vazia, oca e despreparada”.

Paes também voltou a citar o projeto de lei do deputado federal sobre a prostituição, que usou ontem para atacar Gabeira no debate da TV Record.

“O deputado Fernando Gabeira mentiu ontem. Tem um projeto de lei dele que regulamenta a prostituição e tira do código penal o crime de tráfico de mulheres e de corrupção de menores. Ele mentiu ontem descaradamente no debate”, disse.

Gabeira disse que o adversário quer confundir o eleitorado. “É uma tentativa de deformar os projetos e me comprometer com o eleitorado mais conservador, mas não vai ter resultado.”

Ao citar panfletos sobre o assunto que a vereadora Liliam Sá (PR) tem distribuído na porta das igrejas evangélicas para prejudicar Gabeira, o peemedebista disse que os políticos podem manifestar suas opiniões. “Os políticos não podem mais manifestar opinião? Eu, por exemplo, não sou a favor de legalizar a profissão do cafetão”, disse.

O encontro no centro do Rio contou com a participação da candidata derrotada no primeiro turno Jandira Feghali (PC do B). Paes anunciou o desejo de criar uma secretaria para as mulheres, mas não disse que Jandira será a titular da pasta.

Eleições 2008: Gabeira segue na frente no Datafolha

Pesquisa também traça o perfil dos eleitores de cada candidato

Por Luan Borges
Direto ao Ponto

O candidato Fernando Gabeira (PV), que, segundo as pesquisas do 1ª turno estava em terceiro lugar, está na dianteira nas pesquisas de intenção de voto, segundo o Datafolha, com 43% dos votos, empatado tecnicamente com Eduardo Paes (PMDB), que tem 41%.

Votos brancos ou nulos representam 7%. Eleitores indecisos somam 9%

Os eleitores de Gabeira ficam acima da média entre os mais jovens (53%), os mais escolarizados (60%) e os mais ricos (62%), e entre os que desaprovam (consideram ruim ou péssimo) os governos de Cesar Maia (47%), de Sérgio Cabral (55%) e, principalmente, de Lula (58%). Também os simpatizantes do PDT declaram voto superior à média para Gabeira (54%).

Já, o eleitorado de Paes destaca-se entre os mais pobres (46%), entre os menos escolarizados (49%) e entre os mais velhos (50%), bem como entre os que não estão atualmente no mercado de trabalho (49%), além dos eleitores que, ao contrário do que ocorre com seu adversário, aprovam os governos nas três instâncias: 48% dos que avaliam como ótima ou boa a gestão de Cesar Maia, 55%

entre os que aprovam Cabral e, um pouco menos expressivamente, entre os que aprovam Lula (46%). Entre os simpatizantes do PMDB, alcançam 65% as menções a Paes.

Foram entrevistados 1.304 eleitores no Rio de Janeiro, nos dias 07 e 08 de outubro. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Eleições 2008: Zito é eleito prefeito de Duque de Caxias

A campanha “Volta Zito” deu certo em Duque de Caxias. O ex-prefeito, que saiu em 2004 por já estar no segundo mandado, voltou à prefeitura da cidade logo no primeiro turno: 53,34% contra 44,59% do atual prefeito Washington Reis, do PMDB. Leninha, do PSOL, ficou em terceiro lugar, com 2,06%.

A campanha em Duque de Caxias foi acirrada. Do lado de Washington, o apoio do presidente Lula e do governador Sérgio Cabral. Do outro, anos de experiência na prefeitura da cidade. A campanha indicava tudo para um segundo turno entre Zito e Reis, o que na verdade não passaria de um “vale a pena ver denovo” do primeiro turno, já que Leninha não tinha nenhuma chance de chegar perto dos dois candidatos.

Zito já começou a campanha confiante na vitória no primeiro turno, embora nas últimas pesquisas Reis tenha se aproximado bastante. Zito voltou a disparar quando, em sua campanha, contestou as ajudas do Governo Federal e o Governo do Estado, perguntando onde foi parar a receita de 1 bilhão da prefeitura.