Apóstolo Valdemiro acusa RR Soares de expulsá-lo da RedeTV!

Apóstolo Valdemiro, da Mundial de Deus, acusa RR Soares, da Internacional da Graça de Deus, de expulsá-lo da RedeTV!

Por Luan Borges

O Apóstolo Valdemiro Santiago, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, acusou o Missionário RR Soares, líder da Igreja Internacional da Graça de Deus, de expulsá-lo da RedeTV!. A Igreja de Valdemiro alugava o início das manhãs da emissora, por volta das 06h, quando a emissora resolveu não renovar o contrato, para aceitar uma oferta de RR Soares, que inflacionou os aluguéis da emissora.

Soares resolveu compensar o espaço que perdeu na Band – de um hora passou a ter somente 20 minutos, apresentando um talk-show gospel – na RedeTV!, assim alugando todos os horários disponíveis na emissora. Além da Igreja Mundial, quem também vai perder espaço é a Igreja Universal.

Valdemiro, que também domina 22 horas da Rede 21 e da TV Alagoas, ex-afiliada do SBT, acusou em seu programa que RR, que é chamado de “tio” no vídeo, de pregar uma coisa e fazer outra. “Eu não sou hipócrita, eu sou desse jeito em todo lugar […], o sujeito chega lá, na maior cara-de-pau, e diz que fui eu que tirei o programa do ar. É mentira!”, diz.

Veja o vídeo:

Anúncios

Globo, Record e Band dividirão Olimpíada de 2016

midia

Na briga entre Globo e Record, as duas levaram

Por Luan Borges

A guerra entre a Rede Globo e a Rede Record pelos Jogos Olímpicos de 2016 acabou empatada: as duas emissoras levaram os direitos de transmissão do evento, que ainda não tem a sede definida. Além das duas emissoras, a Bandeirantes também transmitirá o evento através de uma parceria com a Globo.

A guerra pelos direitos de transmissão se deu devido a Record ter a exclusividade na transmissão dos Jogos Olímpicos de 2012, que ocorrerão em Londres, e pelas grandes chances do Rio de Janeiro sediar o evento. Além do Rio, as cidades concorrentes são Tóquio, Madri e Chigado.

A proposta da Globo surpreendeu o Comitê Olímpico Internacional (COI) pelo fato de não ser oferecido apenas dinheiro, mas também por permitir que o evento seja negociado e transmitido por outras emissoras, enquanto a proposta da Record previa transmissão exclusiva e garantia da transmissão de todos os jogos.

A exemplo dos Jogos Panamerianos Rio 2007, a divisão dos direitos de transmissão mostra que a campanha da cidade para sediar o evento de 2016 pode ser bem-sucedida.

Especial: O futuro da TV do passado

titulo cópia

Como seria a televisão brasileira se a TV Tupi e Excelsior não perdessem as concessões?

Por Luan Borges

Vamos fazer uma regressão: voltaremos ao ano de 1968. O Brasil vivia uma ditadura militar e na televisão haviam alguns canais: Globo, Cultura, Bandeirantes, Tupi, Record e Excelsior. Originalmente, a Excelsior foi fechada pelos militares, e a Tupi faliu. Ambas foram substituídas pela Manchete e SBT, respectivamente. A Manchete também faliu, e hoje é a deplorável RedeTV!

Mas, imaginemos que nada houvesse mudado na televisão brasileira e se a Tupi e a Excelsior ainda estivessem no ar, o que seria de diferente no cenário televisivo brasileiro? Será que a Rede Globo seria líder de audiência? Será que a televisão brasileira teria uma qualidade melhor? Será que seríamos a referência na televisão mundial?

Perfil das emissoras

A Record teria seu logotipo inspirado na NBC

A Record teria seu logotipo inspirado na NBC

Pra começar, SBT e Manchete nunca teriam existido, e, consequentemente, RedeTV também não, o que já seria um avanço! Sem o SBT, Silvio Santos não teria vendido a Record, e hoje a Record teria o espírito de alegria do SBT. Ou seja, a TV Record hoje pertenceria à Silvio Santos e nunca passaria nas mãos de Edir Macedo. Imagine hoje você sintonizando a Record nos domingos e vendo Silvio Santos jogar aviãozinho de dinheiro?

A Record, sendo assinada por Silvio Santos, teria algumas características de SBT: vinhetas copiadas de canais americanos — inclusive o logotipo –, histórico com novelas enlatadas, Chaves e programação infantil. Imagina a Record contando seus 56 anos de história com Festivais da MPB, Silvio Santos, Hebe Camargo, Bozo, Mara Maravilha, Gugu Liberato. Seria um SBT com o dobro de tamanho e história que tem hoje. Assim como o SBT, a Record de Silvio Santos seria uma alternativa aos canais líderes e seu carro-chefe seria o “Programa Silvio Santos”.

A Excelsior continuaria com os três canhões de cores

A Excelsior continuaria com seus três canhões de cores

A Excelsior seria um exemplo de estratégia e qualidade. Para quem não sabe, a Excelsior inventou a chamada “cascata”, que é quando um programa é procedido de outro com público-alvo parecido, evitando uma debandada de audiência. Inclusive, a Excelsior inventou o esquema “novela, jornal, novela”, usado até hoje pela Rede Globo. Hoje, a Excelsior iria cobrir esportes e grandes shows com qualidade realmente de primeira.

Na Tupi, o know-how da pioneira ajudaria e muito a emissora. A Tupi inventou a novela como é hoje, contando casos do cotidiano da população, enquanto a Globo fazia histórias fantasiosas com Glória Magadán. A pioneira também inovaria hoje em dia, trazendo para o Brasil o formato das séries internacionais de grande sucesso.

Tupi

A Tupi iluminaria seu logo em forma de "T" com três cores

Na Globo, não haveria comodismo por ser líder, mas sim uma luta para conseguir a liderança. Sempre buscando inovar, fechando parcerias internacionais, transmitindo grandes competições e tentando ao máximo inovar na TV.

Na Band, como não restaria muita coisa, só artistas em fim de carreira e campeonatos abandonados pelas grandes redes, acaba se tornando uma emissora exclusivamente jornalística.

Mercado

Assim como no resto do continente americano, exceto o México, a audiência na televisão brasileira seria disputadíssima. Com quatro grandes redes com extrema qualidade brigando pela liderança, haveriam mais produções na televisão, principalmente de teledramaturgia. Assim, o mercado para profissionais seria o triplo que é hoje. O mercado publicitário também seria muito mais divido, já que não haveria mais concentração de audiência numa só emissora.

Emissoras maiores gerariam mais empregos para os profissionais

Emissoras maiores gerariam mais empregos para os profissionais

Nesse cenário, a criatividade seria incetivada, já que não haveria mais uma emissora líder para copiar. Todas as emissoras teriam sua própria identidade visual diferenciada.

Além disso, para alimentar o mercado, novos autores, atores e apresentadores surgiriam, renovando a cara da televisão brasileira. Com novos autores, novas ideias surgiriam na tela, assim nascendo novas obras-primas da teledramaturgia brasileira.

Audiência

Globo, Tupi e Excelsior brigariam pela liderança a todo momento, assim com NBC, CBS e ABC nos Estados Unidos. Fazendo uma comparação bem por baixo, a Record seria como a Fox americana: mais popular, investiria em alguns setores e em alguns momentos lideraria.

A Record, com seu perfil popular, investiria em atrações como Ratinho, programas policiais, reality-shows. Enfim, seria muito parecida com o SBT atrás de uma audiência fácil e surgiria com alguns diferenciais, sendo a alternativa às emissoras líderes.

Tecnologia

Para conseguir audiência, as TVs investiriam em mobilidade

Para conseguir audiência, as TVs investiriam em mobilidade

As emissoras, para cada vez mais conquistarem público, investiriam em mídias alternativas, como os celulares com televisão, TV digital e internet, fazendo o telespectador participar ativamente dos programas das emissoras.

Imagine você podendo participar ao vivo da internet da maioria dos programas da TV brasileira, mais ativamente do que hoje. Mais uma vantagem da competição da televisão brasileira.

Teríamos uma TV com história, competitiva, inovadora, de qualidade. Enfim, teríamos a TV que desejamos. Infelizmente isso não foi possível, graças ao fim da Excelsior e Tupi. Hoje temos que nos contentar com emissora sendo usada como lavanderia, emissoras que vendem horários, repletas de amadorismo. Pelo menos na nossa fantasia, houve uma TV com qualidade de verdade.

Televisão: A Band a beira de uma crise

A Bandeirantes, que tem feito demissões em massa, pode estar a beira da pior crise de sua história

Por Luan Borges
Direto ao Ponto

A Rede Bandeirantes pode estar a beira da pior crise de sua história, segundo alguns funcionários da emissora. Nas últimas semanas, 300 pessoas foram demitidas das empresas do Grupo Bandeirantes de Comunicação, e, em dezembro, estão programados mais 42 demissões nos canais BandNews, BandSports e Terra Viva.

Continuar lendo

Crítica: As sucessivas gafes do Latin Grammy Brasil

Band demonstra que, apesar de ter mais de 40 anos, ainda trabalha com bastante amadorismo

Por Luan Borges
Direto ao Ponto

Mais velha que ela, só a Globo e a Record, mas, mesmo sendo a terceira emissora em mais tempo de atividade no Brasil, ainda demonstra amadorismo ao extremo. Foi isso o que pudemos conferir na última quinta-feira, quando a Rede Bandeirantes produziu e transmitiu o primeiro Latin Grammy Brasil, simultâneamente com o evento oficial que acontecia em Houston, no Texas.

Continuar lendo

Eleições 2008: Marta se engana e chama Datena de ‘Faustão’

Gordo, apresentador de televisão, e, as vezes, uma mala sem alça. Características que José Luis Datena, apresentador do “Brasil Urgente”, da Band, e Fausto Silva, o Faustão, apresentador do “Domingão do Faustão”, da Globo, tem em comum. Tamanha semelhança acabou confundindo a cabeça de Marta Suplicy, candidata à Prefeitura de São Paulo. Durante uma entrevista dada ao Datena, ao vivo, Marta deslizou e confundiu o nome dos gordos: chamou Datena de Faustão. Veja o vídeo:

Não, não falarei que ela se confundiu porque é loira. Essa piada é muito velha. Talvez seja o botox.

TELEVISÃO: Ela voltou…

Depois de dois anos fora do ar, a Rede 21 está de volta ao ar. A “TV Aberta com cara de TV Paga” voltou ao ar depois do rompimento da parceria entre o Grupo Bandeirantes e a GameCorp, a empresa do filho do Lula, que deveria durar dez anos.

Mas, o que levou a Band a suspender essa parceria que parecia tão sólida? Segundo algumas fontes, uma mega-parceria entre a Rede Brasil e a CNT seria a “culpada”. Uma “união” entre as três emissoras. A Rede Brasil é uma emissora em UHF com grande número de produções próprias — coisa que a Rede 21 não tem — e tem um grande desejo de crescer. A Rede 21 tem a mesma vontade de crescer e uma coisa a mais, que a Rede Brasil não tem: dinheiro. A CNT já é relativamente grande, mas não esboça nenhuma reação para se firmar como uma grande emissora VHF, depois de algumas pequenas tentativas na década de 90 e em 2007.

Fazendo uma metáfora, seria como: a Rede Brasil quer crescer, tem braços, mas não tem pernas. A Rede 21 tem dinheiro pra comprar as pernas mas não os braços e a CNT quer alugar as suas pernas.

O fato é que a Rede 21, que já foi a maior rede em UHF, declinou muito. Com CNT ou sem, sucesso a Rede 21, que trouxe ao Brasil grandes séries como Seinfield e Sex and the City, e exibiu durante anos séries como The Nanny, Agente 86, Mad About You e Married With Children e que volte a ser aquela emissora do começo da década.