Retrospectiva 2007 – De Julho a Dezembro

Chegou a hora de relembrar tudo o que aconteceu nos meses de Julho a Dezembro. Está no ar “Retrospectiva 2007 – De Julho a Dezembro”.

Julho – Comemoramos 3 anos. 3 anos de informações e comentário, sempre trabalhando para você, leitor. Vimos o fim da Tecsat, a TV por Assinatura via Satélite genuínamente brasileira. E o Brasil ficou fadado ao monopólio da Sky. O Brasil comemorou uma vitória: o Cristo Redentor é uma das sete maravilhas do mundo, ao lado de grandes obras da humanidade, como o Taj Mahal e a Muralha da China. A ONG Mensagem Subliminar dizia que Chaves, uma série mexicana tão inocente, causa retardo mental. Coisa de quem não tem o que fazer. Morria o senador e “dono da Bahia”, Antônio Carlos Magalhães. E o Brasil deu um show nos Jogos Pan-Americanos Rio 2007. E vimos o trágico acidente do avião da TAM no aeroporto de Congonhas, que causou a morte de quase 200 pessoas.

Agosto – Agosto começou com novidades em todas as emissoras de TV. A volta do caso Priscila Belford. Uma mulher tinha confessado a morte de Priscila. O envolvimento dela com a morte de Priscila não foi comprovado. Vimos também o recall mundial dos brinquedos da Mattel, o que fez todo mundo pensar sobre a qualidade dos brinquedos “Made in China”.

Setembro – A Sessão Secreta no Senado. A pizza sendo assada no escurinho do Senado. O Carnê-Dízimo da Igreja Universal, mais uma modalidade de cobrança de dízimo. A absolvição de Renan Calheiros. A mais nova maluquice de Sônia Mograbi: o RR. A Record quase comprando a CNT e a estréia da Record News. Talvez a explicação da criação do “Carnê-Dízimo”. O incêndio no prédio da UERJ.

Outubro – O rompimento do SBT com a Televisa, o fim de um casamento. A morte de Paulo Autran, uma grande perda para a dramaturgia brasileira. Renan Calheiros se afasta do Senado, para dar espaço a aprovação da CMPF. A comemoração dos 50 anos da teledramaturgia mexicana, dramalhões que sempre encantaram e conquistaram o público brasileiro e mundial. A guerra por Tropa de Elite. Todas as emissoras queriam fazer a série, e quem levou foi a Globo. A fraude do IBOPE na Argentina deixou o instituto em xeque no Brasil. O Botafogo que virou piada na internet com a “Tropa de Sofredores”. E as revelações do livro de Edir Macedo. O caso do leite adulterado, que deixou o Brasil desconfiado.

Novembro – O fantasma do 3º mandato de volta. O perigo do céu: um pequeno avião caiu em São Paulo. O Brasil ganhando a competição para sediar a Copa de 2014. Detalhe, o Brasil era o único candidato. O fim da BRA, a inovadora empresa aérea. O “cala a boca” que o Rei Juan Carlos da Espanha fez com Hugo Chávez. A Globovisión dizia ser a próxima RCTV.

Dezembro – A estréia da TV Digital, que ninguém viu, porque o preço era absurdo, e, estreou com falhas no som. O NÃO que Hugo Chávez levou na Venezuela. A divisão em dois do SBT. Agora é SBT Geradora e SBT Produtora. Walcyr Carrasco sendo acusado de plágio pelos fãs de “Amigas e Rivais”. A queda da Aprovação Automática, o povo mostrando sua força. O fim da CPMF, mesmo que possa voltar com outro nome. E, no final do ano, César Maia volta com a Aprovação Automática. E a morte de Norton Nascimento, outra grande perda.

Bom, leitores, acaba mais um ano, e começa outro. Estamos a poucas horas de 2008. Toda a nossa equipe. Colaboradores e jornalistas, mesmo que bem pequena, desejamos a você, leitor, um feliz 2008. Que você realize todos os seus sonhos, seja muito feliz e que 2008 seja muito melhor do que 2007 e muito pior do que 2009. Boas Festas, boa virada e um próspero 2008.

Retrospectiva 2007 – De Janeiro a Junho

retro-2007.jpg

Bem, o ano está chegando ao fim. Está na hora de relembrarmos os fatos que marcaram o ano de 2007. Está no ar, “Retrospectiva 2007 – De Janeiro a Junho”.

Janeiro – O ano já começou com uma polêmica. Cicarelli bloqueou o Youtube, só porque ela não queria que ninguém visse ela fazendo sexo em local público. Novos e velhos deputados assumem seus cargos. Entre eles, Clodovil Hernandes e o ex-presidente Collor de Mello. Depois, foram os maiores faltosos da Câmara e do Senado, respectivamente. Zico Goés, presidente da MTV, chamou seu público alvo de “Crianças que perderam um brinquedo”. Uma cratera se abriu no coração de São Paulo. O Grupo RBS comprou uma comunidade no Orkut por R$2 mil. O lançamento do mordeníssimo e cobiçado iPhone. A Record virando Buracord. O Blog Internacional foi parar na Folha Online, rendendo incríveis 2 mil visitas num só dia. O Casal Hernandes, bispos-fundadores da Igreja Renascer em Cristo, foram presos em Miami, EUA, com dólares na bíblia. O estilista Ronaldo Ésper é preso roubando vasos em um cemitério, em São Paulo.

Fevereiro – O blog Internacional destaca o Aquecimento Global, com uma página especial. Um ataque hacker deixou a internet mais lenta, como se quem fez isso fosse ganhar algo. O blog Internacional é vítima de plágio. O antigo “Liberte Sua Mente” copiou as matérias de nosso blog, ganhou várias visitas, e não deu os devidos créditos.

Março – Começou a “Arrancada da Vitória” do SBT, com a promessa que a concorrência cagaria tremeria de medo. Não chegou a tanto. Assustou a Record, mas não recuperou a vice-liderança. Daniel Dantas, do banco Opportunity, comprou a Editora Três, da revista IstoÉ. Telefônica, finalmente, lançando sua DTH. Bush trazendo sua própria água na visita ao Brasil e um pastor mal-informado da Igreja Universal criticando a Rede Record sobre uma matéria sobre o Papanicolau. Chega uma nova blogueira. Roberta Torres se soma a equipe do Internacional. Gratuidade nos ônibus para estudantes no Rio quase cai.

Abril – SBT e Globo se unindo contra a Rede Record. Lógico, não passou de uma brincadeira de 1º de Abril. Coca-Cola contra Jesus bebendo refrigerante em um filme. Silvio Santos dizendo que quer parar. A Lagoa Azul na Globo. De novo. Deputados aprovando que na segunda era sessão facultativa. Nova emissora no ar. A TVJB, com a promessa de ser uma nova opção de qualidade. 33 mortos em uma tragédia em uma universidade americana. Morre Nair Bello. Uma grande perda. Um grande escândalo. O Mensalão do Bicho. Vários presos. Pastores querendo incentivos fiscais. E nós, blogueiros, como forma de protesto, também queriamos o incentivo fiscal.

Maio – Morre o deputado Enéas Carneiro. Uma grande perda para a política. O Papa no Brasil. A bagunça no ensino público carioca. É o César Maia ficando louco. O fim da RCTV. A tirania de um ditador. Hugo Chávez começou a mostrar suas garras.

Junho – Site do Exército Boliviano usando uma foto de um soldado brasileiro, com uma montagem do Paint. O maior desrespeito ao povo brasileiro: Relaxa e Goza! E a 946 de Sônia Mograbi. E o trágico fim do portal “NoMínimo”.

CineTube Especial: Por trás do jornalismo da Globo

No Youtube você encontra várias pérolas da televisão brasileira. Os exemplos são vários: âncora que esquece a programação, câmera maluca, cenários que caem. Todos os flagras vão parar no Youtube. Mas, e aquilo que não vai ao ar nas frentes das câmeras? Em duas ocasiões, dois vídeos dessa espécie caíram na rede: William Bonner imitando o Clodovil no intervalo do “Jornal Nacional”, que deu grande distaque ao Kibeloco, e William Waack e Cristiane Pelajo, âncoras do “Jornal da Globo”, fofocando durante o intervalo. A Rede Globo mandou tirar do ar o último vídeo. Porém, mais preciosidades estão disponíveis no Youtube, e, antes que a Globo tire do ar, publicamos uma coleção para vocês se divertirem com os âncoras do telejornalismo da Rede Globo de Televisão. Está no ar, o “CineTube Especial: Por trás do jornalismo da Globo”.

Renata Capucci e o PGP indo pra PQP

Samantha Mendes faz exercícios faciais

André Trigueiro brinca com Osama Bin Laden

André Trigueiro vira Preto Velho

Ana Paula Couto se embananando às 4 da madrugada

A voz que tirou o Bom Dia Rio do ar

Esclarecimentos

Novamente nós do blog Internacional viemos a público esclarecer porque não estamos com atualizações freqüentes. Essa época de final de ano, o número de notícias relevantes é pequeno, diferente do ano passado, em que bem no final do ano, tivemos o enforcamento do Saddam Hussein, que deu assunto para toda a mídia durante um mês.

Mas a nossa flata de atualizações tem um motivo especial. A Retrospectiva 2007, relembrando as principais notícias da política, televisão e do mundo pelos nossos arquivos.

Grupo Internacional de Comunicação – 3 anos
Tá, é só blog Internacional, mas todo mundo tem direito a ter um nome pomposo, né?

Crítica: (Falta de) Charme, com Patrícia Salvador

Ontem de madrugada, no SBT, sem nenhuma divulgação, estreou o “Charme” com a apresentação da assistente de palco Patrícia Salvador. Pra quem não sabe, Patrícia Salvador é assistente de palco de Silvio Santos. Ela segura as bolas do sorteio da Telesena, revelava as letras no “Roda a Roda”, e é dubladora das músicas no “Qual é a Música?”. Patrícia já esteve no comando do programa uma vez, cobrindo uma falta de Adriane Galisteu quando a mesma estava doente.

Totalmente sem rumo, Patrícia mal sabia o que fazer durante o programa. Sem carisma, deixava o programa que já era ruim, pior ainda. Em todas as ligações, ela perguntava duas ou mais vezes o nome da pessoa, além de uma leitura artifical do TP.

O programa “Charme” ficou em terceiro lugar de audiência, atrás do “Jornal 24 Horas”, do “Fala Que Eu Te Escuto”, do “Programa do Jô” e do “Intercine”. Talvez Patrícia esteja cobrindo as férias de Adriane Galisteu, quando a mesma voltará a fazer entrevistas. Mas ficaria melhor pro SBT exibir filmes, séries, ou até mesmo, Chaves no horário.

Reflexão de Natal

Natal… Afinal, o que é Natal? Natal é uma data onde muitos compram muitas roupas, muitos presentes, pintam suas casas e várias outras coisas materiais. Mas, o Natal é material? O Natal é aquele que anunciam na Leader Magazine? Nas Lojas Americanas? Na Casas Bahia? O sentido do Natal é relembrar e comemorar o nascimento do menino Jesus, que veio livrar a humanidade de seus pecados. Infelizmente, transformar uma data tão religiosa em uma data puramente comercial só aumenta mais o sentimento de comprar, comprar e comprar.

Lembrem-se neste Natal, que para sentir-se mais perto de Jesus não é preciso uma mesa farta, presentes caros ou roupas luxuosas. Apenas uma oração, de onde você esteja, já fará você aproximar-se mais de Jesus Cristo. E, não tem milagre maior, do que você passar uma noite com sua família unida, em volta de uma mesa.

Foi na noite de Natal. Um anjo apareceu a uma família muito rica e falou para a dona da casa. «- Trago-te uma boa notícia: esta noite o Senhor Jesus virá visitar a tua casa! »
Aquela senhora ficou entusiasmada. Jamais acreditara ser possível que esse milagre acontecesse em sua casa. Tratou de preparar um excelente jantar para receber Jesus. Encomendou assados, conservas, saladas e vinhos importados.
De repente, tocaram a campainha. Era uma mulher com roupas miseráveis, com aspecto de quem já sofrera muito.
– Senhora, – disse a pobre mulher, – será que não teria algum serviço para mim? Tenho fome e necessidade de trabalhar.
– Ora bolas! – retorquiu a dona da casa. – Isso são horas de me vir incomodar? Volte outro dia. Agora estou muito atarefada com um jantar para uma visita muito importante.
A pobre mulher retirou-se. Um pouco mais tarde, um homem, sujo de óleo, veio bater-lhe à porta.
– Senhora, – disse ele com humildade, – o meu caminhão quebrou aqui mesmo em frente à sua casa. Não teria a senhora, por acaso, um telefone para que eu pudesse comunicar com um mecânico?
A senhora, como estava ocupadíssima em limpar as pratas, lavar os cristais e os pratos de porcelana, ficou muito irritada.
– Você pensa que minha casa é o quê?! Vá procurar um telefone público. Onde já se viu incomodar as pessoas dessa maneira?! Por favor, cuide para não sujar a entrada da minha casa com esses pés imundos.
E a anfitriã continuou a preparar o jantar: abriu latas de caviar, colocou o champanhe no frigorífico, escolheu, na adega, os melhores vinhos e preparou os coquetéis.
Nesse momento, alguém lá fora bate palmas. “Será que agora é que é Jesus?” -pensou ela, emocionada. E com o coração a bater acelerado, foi abrir a porta. Mas decepcionou-se: era um menino de rua, todo sujo e mal vestido…
– Senhora, estou com fome. Dê-me um pouco de comida!
– Como é que eu te vou dar comida, se nós ainda não jantamos?! Volta amanhã, porque esta noite estou muito atarefada… não te posso dar atenção.
Finalmente o jantar ficou pronto. Toda a família esperava, emocionada, o ilustre visitante. Entretanto, as horas iam passando e Jesus não aparecia. Cansados de tanto esperar, começaram a tomar aqueles coquetéis especiais que, pouco a pouco, já começavam a fazer efeito naqueles estômagos vazios, até que o sono fez com que se esquecessem dos frangos, assados e de todos os pratos saborosos.
De madrugada, a senhora acordou sobressaltada e, com grande espanto, viu que estava junto dela um anjo.
– Será que um anjo é capaz de mentir? – gritou ela. – Eu preparei tudo esmeradamente, aguardei a noite inteira e Jesus não apareceu. Por que é que você fez essa brincadeira comigo?
– Não fui eu que menti… Foi você que não teve olhos para enxergar. – explicou o anjo. – Jesus esteve aqui em sua casa três vezes: na pessoa da mulher pobre, na pessoa do motorista e na pessoa do menino faminto, mas a senhora não foi capaz de reconhecê-lo e acolhê-lo em sua casa”.

Feliz Natal

Análise: Louca Família, o ‘Sai de Baixo’ da Record

Ontem na Rede Record, foi ao ar o especial “Louca Família”, estrelado por Karina Bacchi, Denise Del Vecchio, André Mattos, Tom Cavalcante, e outros artistas da Record. O formato, o mesmo das maiorias das sitcons nacionais: uma família bagunçada, uma empregada folgada, e um personagem trambiqueiro. Formato usado desde a série “Família Trapo”, da Rede Record, foi usada no “Bronco”, da Band e no “Sai de Baixo”, da Rede Globo, e foi usado como base na sitcom de sucesso da Globo, “Toma Lá Dá Cá”.

Porém, todo o contexto usado pelo “Sai de Baixo”, programa que marcou época nas noites de domingo da Rede Globo, foi copiado pelo “Louca Família”. Até o personagem Ribamar estava presente, só que com outra profissão e outro nome, porém com o mesmo estilo de roupa do Ribamar e apelidando suas partes íntimas. Na original era “Riba Júnior” e na nova versão, “Tola Júnior”.

A cópia é inegável. Tanto que o próprio Tom Cavalcante assumiu a ‘inspiração’ em entrevista ao jornal carioca “O Dia”. O texto, que foi reescrito por Tom Cavalcante, nem chega perto ao de Miguel Falabella no “Sai de Baixo”. O programa até tenta ser engraçado, com muita piada de duplo-sentido e comédia pastelão, mas o principal em uma sitcom, a piada textual, não comparece em “Louca Família”.